Estadão e Divulgação
Estadão e Divulgação

Samba, eletrônico e sertanejo animam campanhas em SP; ouça os jingles

Início do horário eleitoral gratuito marca retorno dos jingles à programação da rádio e TV; candidatos apostam em músicas chamativas para atrair atenção dos leitores

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2020 | 07h00

A propaganda eleitoral no rádio e TV começa nesta sexta-feira, 9, e os candidatos a prefeito na capital produziram jingles com ritmos que vão do pop eletrônico à roda de samba, passando pelo sertanejo e o funk. As músicas foram produzidas com o intuito de colar na cabeça do eleitor a mensagem principal de cada candidato. 

Líder na mais recente pesquisa Estadão/Ibope/TVGlobo com 26% das intenções de voto, Celso Russomanno (Republicanos) vai colocar no ar a partir de amanhã um jingle com tom gospel que exalta a aliança dele com o presidente Jair Bolsonaro. A letra consolida a estratégia de colar o candidato, derrotado nas campanhas municipais de 2012 e 2016, na imagem do presidente da República.

Bruno Covas (PSDB), segundo colocado com 21% das intenções de voto, optou por um ritmo samba funk com arranjos eletrônicos em busca de um link entre sua luta pessoal contra o câncer e os desafios da cidade, a campanha de Covas fez um jingle com samba funk e adotou o refrão "força, foco e fé". 

Guilherme Boulos (PSOL) - 8% - recorreu a uma mistura de funk e música de escola de samba para atrair a atenção dos eleitores da periferia e chamar atenção para a ex-prefeita Luiza Erundina (PSOL), sua candidata a vice. O ex-governador Márcio França (PSB) - 8% - recorreu ao ritmo sertanejo em um jingle que fala em "12 milhões de corações", "povo que trabalha" e rima "Mudança" com França. 

Orlando Silva (PCdoB) usou uma roda samba para martelar o refrão "preto, prefeito preparado" e "é mais um Silva como nós".  

Os jingles que você vai ouvir na campanha:

Celso Russomanno (Republicanos)

Com três menções a Bolsonaro, o jingle de campanha de Russomanno apresenta tom gospel e não utiliza a expressão "defensor do consumidor", preterida por "defensor do povo".  

Bruno Covas (PSDB)

Em busca de um link entre sua luta pessoal contra o câncer e os desafios da cidade, a campanha de Covas fez um jingle com samba funk e adotou o refrão "força, foco e fé". 

Márcio França (PSB)

Com um ritmo sertanejo, o jingle fala em "12 milhões de corações", fala em "povo que trabalha" e rima "Mudança" com França.

Guilherme Boulos (PSOL)

Em busca de uma conexão com a periferia, o candidato do PSOL optou por um jingle em ritmo de funk e samba de carnaval com direito a bateria. "O Boulos chegou, Erundina voltou".

Jilmar Tatto (PT)

Música começa em ritmo sertanejo universitário, com um refrão que diz: "no tempo do PT era diferente. Esse tempo vai voltar. Está na hora de Jilmar". Depois muda para rap e elenca obras do partido. 

Joice Hasselmann (PSL)

Jingle usa o ritmo pop com influência do funk americano. A letra prega "Mais verdade, menos mimimi", recorre a imagem da "prefeita que não cansa" e termina com o mote "Tem jeito, tem Joice"

Orlando Silva (PCdoB)

Uma roda samba usa o refrão "preto, prefeito preparado" e "É mais um Silva como nós". 

Filipe Sabará (Novo)

Com um pop rock acústico, recorre ao nome do partido "São Paulo andando de novo, crescendo de novo, sangue novo". A música termina com o mote: "Sabará saberá"

Arthur do Val (Patriotas)

Usa um rock com música eletrônica. "Sei que vou enfrentar a máfia dos transporte, sou mais forte". Arthur do Val: seu sobrenome é coragem  "É paulistano de verdade" 

Levy Fidelix (PRTB)

Fez uma marchinha de carnaval martelando o número 28 e sem citar o nome do candidato. "Em todo canto se vê a força do 28".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.