Salvador: 'Guerra' entre PMDB e PT deve atingir aliança nacional

Acirramento de discursos de João Henrique Carneiro e Walter Pinheiro pode atingir relação entre os partidos

Daiene Cardoso, Agência Estado

12 de outubro de 2008 | 17h18

O inesperado segundo turno entre os candidatos João Henrique Carneiro (PMDB) e Walter Pinheiro (PT), os dois da base dos governos federal e da Bahia, torna a eleição para prefeito de Salvador o quadro mais delicado entre todos os segundos turnos do País. O acirramento dos discursos de Henrique e Pinheiro deve deixar marcas profundas no relacionamento entre os dois partidos em nível nacional e, principalmente, pode respingar no governador Jaques Wagner (PT).   Veja Também: GEOGRAFIA DO VOTO: confira o desempenho dos partidos em TODO o País  Confira o resultado eleitoral nas capitais do País As principais promessas dos candidatos Enquete: O resultado das eleições surpreendeu?     Embora o PT enfrente aliados em outras cidades, o duelo verbal entre os candidatos chegou ao ponto de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva querer distância da "guerra" na capital baiana. Nem a chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (virtual candidata a presidente), deverá passar perto. Para analistas ouvidos pela Agência Estado, independente do resultado das urnas, a troca de farpas entre Henrique e Pinheiro deverá deixar seqüelas difíceis de se curar até 2010.   "Está se arrumando uma encrenca mais cedo que se precisaria", avalia o cientista político Carlos Melo, do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec) de São Paulo. Para Melo, a disputa antecipou a entrada de dois gigantes: Wagner, estrela em ascensão no PT que precisará do apoio do PMDB para se reeleger em 2010, e o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, principal articulador do PMDB e que precisa consolidar a posição do partido no Estado, aproveitando a derrocada do carlismo nestas eleições.   O encontro entre PT e PMDB se deu em 2006 e foi fundamental para a derrota do PFL (hoje DEM) do ex-senador Antonio Carlos Magalhães. O atual governador da Bahia foi o grande articulador da candidatura de Pinheiro, uma vez que não havia compromisso do PT em apoiar o PMDB nesta eleição e as pesquisas indicarem um alto índice de rejeição de Henrique - a idéia era apresentar uma candidatura que tivesse chance de ampliar a aliança e enfrentar o deputado Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM), o ACM Neto, num possível segundo turno. "Na medida que isso funcionasse, o apoio fluiria normalmente. O imprevisto foi que ACM Neto estagnou, ficou no limite do voto do carlismo", afirma o professor Joviniano Neto, da Universidade Federal da Bahia (UFBA). O clima da campanha na capital começou a esquentar com o crescimento de Pinheiro nas pesquisas. Henrique, que tinha o maior tempo de publicidade eleitoral gratuita na televisão, soube explorar bem as realizações na prefeitura (principalmente as grandes obras canalizadas por Geddel) e posicionou-se como candidato com chances de enfrentar ACM Neto. Como Henrique e Pinheiro eram competitivos, a questão era definir qual deles chegaria ao segundo turno contra o DEM. Para isso, os dois tentaram capitalizar a proximidade com Lula, o que elevou o tom da campanha. O que não estava nos cálculos, nem do ministro da Integração Nacional, nem de Wagner, era um enfrentar o outro no segundo turno.   Espera-se que o tom na cidade fique cada vez mais tenso, comprometendo a aliança entre PT e PMDB na Bahia e ampliando a discórdia para o campo nacional. Geddel está contrariado por não ter tido o apoio do PT na reeleição de Henrique e, mesmo ele que ganhe, prevê Joviniano Neto, a negociação entre Wagner e o PMDB no Estado ficará mais difícil. "É uma situação pouco produtiva, que torna as coisas mais difíceis para 2010. O duelo verbal está muito forte e sempre fica um ressentimento do derrotado", destaca Melo.   O professor do Ibmec vê também um favorecimento do governador de São Paulo, José Serra (possível candidato tucano a presidente), com o agravamento dos ânimos na Bahia. "É um centro de conflito que pode transbordar, tudo vai depender da neutralidade do presidente Lula. Uma guerra na Bahia pode ser a gota d'água (para a aproximação do PMDB com o tucano). Serra também está de olho neste latifúndio", reitera.   O governador da Bahia, que participou timidamente da campanha de Pinheiro no primeiro turno - por ter três candidatos da base na disputa -, promete ser mais ativo na segunda etapa. Wagner deve gravar mais programas para TV e pode participar de atividades de rua com o petista. Mesmo com a participação de Wagner na campanha, a assessoria do governador avisa que, em nome da parceria que começou em 2006, ele não se deixará influenciar pelo clima agressivo da campanha. "Eles (Wagner e Geddel) têm se preservado muito e não vão entrar neste nível porque têm uma parceria", reitera a assessoria.   Mesmo com a reconhecida capacidade articuladora de Wagner, Joviniano Neto lembra que Geddel sofre de "incontinência verbal", o que torna o clima da campanha instável. "Agora é que vai esquentar", acredita. No entanto, afirma, os ressentimentos que sobrarem da disputa devem se restringir aos limites territoriais da Bahia, uma vez que o PMDB deve se dar por satisfeito com a neutralidade de Lula na campanha. "A eleição vai deixar marcas significativas, sim. É a primeira vez que o carlismo não chega ao segundo turno, o quadro mudou. Tornou claro que a base do governo na Bahia tem dois grandes pólos: PT e PMDB."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.