Sabatina Estadão: Jandira pede o 'voto progressista'

A candidata Jandira Feghali (PCdoB) voltou a defender na última das sabatinas realizadas pelo Grupo Estado com os candidatos à prefeitura do Rio de Janeiro que o eleitor "progressista" vote nela. Apesar do pedido, ela ressaltou que não usou a expressão "voto útil", que irritou adversários como Chico Alencar (PSOL) e Alessandro Molon (PT) e foi classificada como ato de desespero. "Falei para o eleitor dirigir o voto progressista para cá", afirmou.De acordo com Jandira, sua campanha está "longe de atingir o teto" de intenções de voto que pode ter. Da base do governo federal, ela comentou que apóia Lula desde 1989 e que "talvez alguns candidatos fossem crianças nessa época". "Não preciso ficar disputando imagem de Lula na TV", completou, em uma alfinetada, sem citar nomes, no candidato do PT, Alessandro Molon, mais novo e que reivindica que somente a propaganda do seu partido, por ser também o do presidente, pode usar as imagens de Lula.Jandira ainda respondeu ao comentário de um internauta sobre as críticas do prefeito Cesar Maia a seu cabelo cacheado. Para a candidata, o prefeito tem "um problema freudiano" com os cabelos dela. "Acho que tem um fetiche. Não sei o que ele sonha, o que pensa", brincou. Ela lembrou que em 2004 deu uma peruca imitando sua cabeleira ao prefeito e disse que pensa em dar outra.Jandira participou da sétima e última das sabatinas do Grupo Estado com os candidatos à Prefeitura do Rio. Na capital fluminense, participaram também os candidatos Marcelo Crivella (PRB), Alessandro Molon (PT), Eduardo Paes (PMDB), Fernando Gabeira (PV), Solange Amaral (DEM) e Chico Alencar (PSOL).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.