Russomanno vence tucano e petista em simulação de 2º turno

Dados são de pesquisa Datafolha divulgada ontem; Serra perde para os dois candidatos nos cenários apresentados

O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2012 | 03h08

Pesquisa Datafolha divulgada ontem consolida o candidato do PRB Celso Russomanno em primeiro lugar isolado na disputa pela Prefeitura de São Paulo. Ele cresceu quatro pontos e chegou a 35% da preferência do eleitorado paulistano, ampliando a vantagem sobre José Serra (PSDB) e Fernando Haddad (PT), que estão tecnicamente empatados em segundo lugar.

O tucano passou de 22% no levantamento anterior do Datafolha, realizado em 28 e 29 de agosto, para 21% nesta semana. Haddad passou de 14% para 16%.

Em uma simulação para o 2.º turno, Russomanno venceria os dois adversários. O candidato do PRB levaria vantagem de 58% a 30% contra Serra e de 56% a 30% contra Haddad. Foi a primeira vez que o nome do petista foi incluído nesse cenário.

Gabriel Chalita (PMDB) manteve os 7% de preferência em relação à pesquisa passada, enquanto Soninha Francine, do PPS, oscilou um ponto para cima, ficando com 5%. O candidato do PDT, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, passou de 2% para 1% na pesquisa.

Os candidatos Ana Luiza (PSTU), Carlos Giannazi (PSOL) e José Maria Eymael (PSDC) também receberam 1% cada das intenções de voto.

Oito por cento dos entrevistados disseram que anulariam o voto ou votariam em branco e 4% se declararam indecisos.

O Datafolha entrevistou 1.078 eleitores nos dias 3 e 4 de setembro. A margem de erro da pesquisa é de até 3 pontos porcentuais. A pesquisa foi publicada ontem no jornal Folha de S.Paulo.

Rejeição. Ainda de acordo com o levantamento do instituto, 42% dos paulistanos afirmam que não votariam em Serra "de jeito nenhum". Ele oscilou um ponto para baixo desde a última pesquisa. Líder isolado, Russomanno conseguiu fazer o seu índice de rejeição cair 3 pontos porcentuais. Era de 15%, recuou para 12%. A rejeição a Haddad também diminuiu nesse último levantamento do instituto. Era de 21% e agora está agora em 18%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.