Russomanno sugere que falta de banho deixa moradores de rua resistentes à covid-19

Russomanno sugere que falta de banho deixa moradores de rua resistentes à covid-19

Especulação foi dita pelo candidato das eleições 2020 em coletiva de imprensa após evento que Associação Comercial de SP

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2020 | 19h28
Atualizado 13 de outubro de 2020 | 21h54

Ao defender o isolamento vertical – modalidade de afastamento apoiada pelo presidente Jair Bolsonaro em que apenas pessoas de grupos de risco da covid-19 ficam em casa –, o deputado Celso Russomanno (Republicanos) sugeriu que moradores de rua podem ser mais resistentes ao novo coronavírus porque não conseguem tomar banho todos os dias. 

“Temos casos pontuais, não temos uma quantidade imensa de moradores de rua com problema de covid. Talvez eles sejam mais resistentes que a gente porque eles convivem o tempo todo nas ruas, não têm como tomar banho todos os dias, etcetera e tal. Mas não era o que se esperava”, disse o deputado, que é candidato à Prefeitura de São Paulo e está em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto. A frase foi dita por Russomanno na coletiva de imprensa realizada após a participação dele em um evento da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que vem recebendo todos os postulantes ao cargo de prefeito.

“Todo mundo esperava que a covid tomasse conta de todo mundo, até porque eles (moradores de rua) não têm esse afastamento que foi pré-estabelecido por orientações da Organização Mundial da Saúde e pelo governo e eles estão aí”, afirmou.

Não há comprovação científica de que a falta de banho proteja ou iniba o contágio da doença. Especialistas enfatizam a importância da higienização correta para evitar infecções e reforçam os cuidados, por exemplo, na hora de na hora de usar banheiros públicos ou compartilhados.

O deputado disse ainda conhecer casos de famílias que residem em moradias superlotadas nas quais não há nenhum caso da doença. “Se a gente andar pela periferia e entrar nas casas, como eu entro quando estou defendendo o consumidor, por problema de geladeira de um eletrodoméstico – são pessoas que geralmente vivem com quatro, cinco pessoas em um mesmo cômodo e que não têm afastamento absolutamente nenhum e que a família inteira não contraiu a doença”, disse. 

Russomanno citou esses casos de falta de isolamento ao defender a verticalização do isolamento social. “Se você sair para a periferia, você vai ver que o isolamento não existe. O isolamento existe na classe média alta, nas periferias não. Eu estou rodando as periferias desde quando começou a pandemia, fazendo o que vocês fazem, fazendo reportagens”, afirmou. 

“Esse isolamento deveria ter sido feito, depois dos primeiros 30 dias, de forma vertical, cuidando das pessoas com problemas respiratórios, das pessoas cardíacas, dos idosos, das pessoas com deficiência. Deveria ter sido cuidado disso, e não fechado o comércio do jeito que foi feito, quebrando e desempregado todo mundo”, disse Russomanno ao ser questionado na coletiva de imprensa sobre um trecho de sua participação no evento em que defendeu o isolamento vertical.

(Assista aos 36 minutos e 30 segundos)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.