Russomanno reage a críticas dos visitadores de Serra

"Falta ética na política". Esse foi o comentário do candidato à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno (PRB), sobre a iniciativa do PSDB de contratar "visitadores" para abalar sua imagem.

O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2012 | 03h06

O Estado mostrou ontem a nova estratégia da campanha tucana na tentativa de isolar José Serra no topo das pesquisas de intenção de voto - atualmente ele divide a liderança com Russomanno. Equipes de cabos eleitorais foram orientados a exaltar, de porta em porta, em locais estratégicos, os feitos de Serra quando prefeito e governador e a questionar o preparo dos demais candidatos, com foco em Russomanno: "O que o Russomanno já fez? Você sabe?"

Para o ex-deputado, a medida é antiética e vai contra os princípios de sua campanha. "A gente constrói uma eleição propondo ideias, não desconstruindo as de outro candidato." Russomanno garante que a ofensiva tucana não vai alterar suas estratégias. "Continuaremos andando pelas ruas, ouvindo as pessoas e traduzindo isso através dos microfones", destacou, em visita ao clube Regatas do Tietê.

Quem também falou das iniciativas de Serra foi o concorrente petista Fernando Haddad, que rebateu as críticas do tucano a seu respeito pregando um "modo moderno de fazer política". "A campanha tem que ser propositiva", defendeu.

Haddad reiterou que não participará da reunião que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá hoje com ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy.

Feira. Serra evitou comentar as críticas dos concorrentes. Em visita à feira comemorativa do Dia da Cultura Coreana, no Bom Retiro, o candidato do PSDB destacou a intenção de estimular o chamado turismo de compras na cidade e prometeu mudanças visuais no bairro. "Vamos providenciar equipamentos que o caracterizem como um bairro eminentemente coreano, da mesma forma como o bairro da Liberdade está hoje ligado ao Japão."

/ DÉBORA ÁLVARES, GUILHERME WALTENBERG, ROLDÃO ARRUDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.