Russomanno promete R$ 20 mil para médicos

Líder nas pesquisas de intenção de voto para prefeito de São Paulo, o candidato Celso Russomanno (PRB) prometeu ontem dar salários de cerca de R$ 20 mil para médicos da rede pública municipal que aceitem trabalhar na periferia. Em caminhada na região dos Hospital das Clínicas, em Pinheiros, ele disse que o orçamento municipal suporta o aumento na remuneração.

O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2012 | 03h08

Segundo ele, essa medida, uma de suas principais promessas, virá junto ao investimento em medicina preventiva, que tem um custo menor por paciente tratado. "Um médico concursado ganha entre R$ 4 mil e R$ 5 mil, e se está trabalhando por uma fundação ou organização social, entre R$ 8 mil e R$ 10 mil", disse. "(Com esse salário) Eles não ficam."

O candidato do PT, Fernando Haddad, elogiou ontem o próprio programa de TV e disse que seus adversários apresentaram apenas "propostas antigas". "Pelas informações que eu tive, (os outros programas) ainda estão precisando ganhar musculatura, melhorar as propostas. São propostas antigas, tudo meio desbotado", afirmou em agenda de campanha no Capão Redondo, na zona sul, onde prometeu obras viárias e a construção de um centro cultural.

A candidatura de José Haddad foi lançada sob o mote da "renovação", em uma tentativa de se apresentar como contraponto a José Serra (PSDB). O petista ainda é desconhecido de boa parte do eleitorado. Sua propaganda eleitoral na TV, produzida pelo marqueteiro João Santana, tem a tarefa de torná-lo mais conhecido dos paulistanos. "Gostei tanto do meu (programa) que eu fiquei vendo várias vezes ao dia", afirmou.

José Serra visitou um abrigo para cães e gatos na Marginal do Tietê. Posou para fotos com filhotes de cachorros e disse que pretende reforçar a parceria da Prefeitura com entidades de defesa dos animais. Ele destacou o papel de ONGs no trabalho de esterilização de animais abandonados. / BRUNO BOGHOSSIAN, BRUNO LUPION e PEDRO DA ROCHA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.