Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Russomanno é cobrado por mulher que se diz católica

Candidato do PRB, partido ligado à Igreja Universal, é abordado durante encontro com idosos na zona leste

RICARDO CHAPOLA , O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2012 | 03h24

Uma eleitora acusou ontem o candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, de "ter vendido a alma para o demônio" e o criticou por ter uma campanha financiada pelo bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, Edir Macedo. A cúpula do partido de Russomanno é composta por membros da Universal.

Sem querer se identificar, a mulher abordou Russomanno, amassou os adesivos do candidato na frente dele e exigiu que sua campanha parasse de agredir a Igreja Católica.

"Você vendeu sua alma ao diabo. O Edir Macedo está por trás da sua campanha. E pare de agredir a minha igreja", disparou a mulher, que se disse católica, depois que Russomanno apresentou suas propostas para os idosos no Círculo de Trabalhadores Cristãos da Vila Prudente, na zona leste da capital. "Ele já é conhecido o suficiente, não precisava ter vendido a alma ao demônio."

Questionado sobre o episódio, o candidato disse ser um fato isolado. "É só ver quantas mil pessoas andam em volta de mim."

A mulher afirmou que os padres estão fazendo um mutirão nas igrejas contra o candidato do PRB. "É só vocês irem à missa e vocês vão ouvir o que o padre tem a dizer sobre o Celso Russomanno e Edir Macedo", disse.

Após um artigo escrito pelo presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, agredindo os católicos, cerca de 300 paróquias de São Paulo começaram a criticar o candidato, ligando-o à Universal, numa operação orquestrada pela Arquidiocese de São Paulo.

Secundário. Um dia depois de se reunir com Russomanno, o arcebispo de São Paulo, d. Odilo Scherer, disse que a religião "não deve ser o primeiro critério para votar em alguém". "(A religião do candidato) interessa, mas não deve ser o primeiro critério para votar em alguém. Espero não escandalizar ninguém ao falar isso", disse. / COLABOROU BRUNO BOGHOSSIAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.