Russomanno diverge de igreja ligada ao PRB

Candidato discorda de doutrina da Universal em temas como aborto, uso de camisinha, homofobia e células-tronco

RICARDO CHAPOLA, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2012 | 03h10

Católico fervoroso e coroinha quando criança, o candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, carrega no discurso divergências com a doutrina da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), ligada ao seu partido. Na contramão do que prega a denominação neopentecostal, Russomanno combate a criminalização da homofobia e diz que, se eleito, vai defender a distribuição de preservativos durante o carnaval.

Mesmo assim, consegue ser o nome mais forte nesta fatia do eleitorado: segundo a última pesquisa Datafolha, o ex-deputado tem 36% das intenções de voto entre os neopentecostais.

As ordens no QG de Russomanno são de aproveitar o favoritismo entre os evangélicos. "Eu não estou tentando me desligar disso (da Igreja Universal) em absolutamente nada", disse o candidato ao Estado. "A gente não pode negar o apoio de ninguém", disse o marqueteiro de Russomanno, o publicitário Ricardo Bérgamo.

Em pelo menos quatro temas com potencial para causar polêmicas na eleição - aborto, uso de camisinha, homofobia e células-tronco -, porém, o candidato do PRB disse que discorda dos princípios da igreja neopentecostal. O bispo Edir Macedo, principal líder da Universal, também já disse publicamente ser a favor da prática do aborto.

"A Bíblia fala que é melhor a pessoa não ter nascido do que nascer e viver o inferno. Eu sou a favor do aborto sim, eu sou e não tenho medo nenhum de pecar", afirmou numa de suas pregações recentes.

Já Russomanno condena o aborto, com exceção dos realizados em casos que ofereçam riscos à vida da mãe, ou em casos de estupro, situações em que a prática é legalizada.

Sobre homossexualismo, o ex-deputado promete combater a intolerância e o preconceito sexual. Colocou-se também contra a lei de criminalização da homofobia. "Qualquer tipo de perseguição deve ser proibido. Vivemos num País democrático."

'Descarrego'. Edir Macedo considera o homossexualismo algo a ser combatido. Trata o assunto como "encosto espiritual" e realiza em alguns cultos sessões de "descarrego" para os gays. "Jamais vou defender o homossexualismo, mas sempre terei fé para ajudar tanto homossexuais quanto heterossexuais que estejam dispostos colocar suas dores, sofrimentos e fraquezas aos pés daquele que quer salvá-los", diz o líder da Universal em seu blog.

O candidato do PRB e a igreja não demonstram sintonia também em temas como distribuição de camisinha e o uso de células-tronco no tratamento de doenças. Questionado sobre as posições contrárias às da Universal, Russomanno preferiu encerrar o assunto: "Não vou discutir a questão religiosa". / COLABOROU JULIA DUAILIBI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.