Cristiane Mattoso/ O Tempo
Cristiane Mattoso/ O Tempo

Romeu Zema: O empresário estreante nas eleições

Praticamente desconhecido do eleitorado, ele surpreendeu ao sair de 10% e conseguir passar para o segundo turno

Jonathas Cotrim, Belo Horizonte

28 de outubro de 2018 | 13h40

 Empresário, de 54 anos, Romeu Zema nasceu em Araxá, na região do Triângulo Mineiro, e é formado em administração de empresas pela Fundação Getúlio Vargas. Em 1991, assumiu a gestão do Grupo Zema, empresa familiar que tem mais de 800 estabelecimentos em dez Estados brasileiros e que é composto por lojas de eletrodomésticos, distribuição de combustíveis, concessionárias e financeiras.

Em sua primeira participação em eleições, se candidatando pelo partido Novo ao governo mineiro, ele surpreendeu após sair de um patamar praticamente desconhecido e conseguir tirar o atual governador mineiro, Fernando Pimentel, do PT, do segundo turno. Uma semana antes da votação do dia 7 de outubro, Zema ocupava a terceira colocação, com 10% das intenções de voto, mas terminou o primeiro turno na primeira colocação, com 42%, mais de 4 milhões de votos.

Por ser um novato na política, Zema procurou se colocar como alternativa "aos mesmos políticos de sempre" e se apresentou como gestor. Sua principal proposta é promover um enxugamento da máquina pública, com corte de cargos, secretarias e privilégios. Liberal, ele também se mostrou favorável à privatização de empresas estatais, mas recuou e afirmou acreditar que as empresas deve se tornar "competitivas". Além disso, ele assinou um compromisso, em cartório, de que só receberá o salário de governador, após todos os servidores terem recebido os vencimentos.

O empresário também afirmou que pretende transformar o Palácio das Mangabeiras, residência oficial do governador, em um museu, mas não descarta a venda do local. Sobre as áreas de saúde e segurança, em diversos momentos Zema alterou o plano de governo - e foi alvo de críticas de seu adversário no segundo turno, Antonio Anastasia, do PSDB. O candidato do Novo disse ser favorável à utilização de parcerias com empresas de segurança privada na área rural e que pretende contar com instituições filantrópicas para finalizar a construção de hospitais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.