Rio tem encontros sobre jornalismo investigativo

Entidades realizam, entre hoje e terça-feira na PUC, três eventos simultâneos com 150 painéis e 250 palestrantes de vários países

RIO, O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2013 | 02h02

Três grandes encontros internacionais sobre jornalismo investigativo reunirão, de hoje a terça-feira, cerca de 1.200 pessoas de 80 países na Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro.

Serão realizados 150 painéis e cursos, com 250 palestrantes e pelo menos 900 inscritos.

Nos quatro dias de programação, acontecerão simultaneamente o 8.º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, a 8.ª Conferência Global de Jornalismo Investigativo e a 5.ª Conferência Latino Americana de Jornalismo Investigativo.

Na segunda-feira, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, falará sobre avanços e retrocessos institucionais no Brasil. Hoje, a plenária de abertura, Liberdade de Expressão em Crise, terá a participação dos relatores especiais da Organização dos Estados Americanos (OEA), Catalina Botero, e da Organização das Nações Unidas (ONU), Frank La Rue.

"É a primeira vez que os três congressos acontecem juntos. Por isso teremos recorde de público e a maior diversidade de jornalistas de todos os encontros", disse Guilherme Alpendre, diretor executivo da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), uma das entidades que organizam os congressos, ao lado da Global Investigative Journalism Network (GIJN) e do Instituto Prensa y Sociedad (IPYS).

Na noite de segunda-feira, no Teatro Municipal (Cinelândia, no centro), a Abraji homenageará o jornalista Marcos Sá Corrêa, pioneiro do jornalismo online no Brasil e autor de reportagens históricas, como a revelação do apoio da CIA ao golpe militar de 1964.

Entre os convidados estrangeiros, estarão presentes os americanos Glenn Greenwald, que revelou o esquema de espionagem do governo americano em vários países, e Jon Lee Anderson, correspondente de guerra e autor da biografia de Che Guevara, e o editor-chefe da revista Aliqtisadi, da Síria, Hamoud Almahmoud.

Do Estado, participarão os jornalistas Marcelo Beraba, José Roberto Toledo, José Paulo Kupfer, Bruno Paes Manso e Andreza Matais.

Além dos debates e painéis, haverá cursos práticos, laboratórios e treinamento com os maiores especialistas em jornalismo de dados do mundo. Na tarde de terça-feira, o último evento será um debate da Unesco e Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República sobre violência contra jornalistas, com a presença da ministra Maria do Rosário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.