MDB/Divulgação
MDB/Divulgação

Rio Preto tem quatro candidatos a prefeito milionários e um sem nenhum patrimônio

Advogado alega que, por exercer trabalho voluntário nos últimos 15 anos, não possui bens

Daniele Jammal, especial para o Estadão, O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2020 | 21h30

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - Dos dez candidatos a prefeito em São José do Rio Preto, há quatro milionários e um com patrimônio zero. O único a declarar que não possui bens é o advogado do Grupo de Amparo ao Doente de Aids (Gada) e candidato a prefeito pelo DC, Rogério Vinicius. Segundo a assessoria do candidato, ele dedicou “grande parte dos últimos 15 anos ao trabalho jurídico voluntário para o Gada e (por isso) não tem bens".

O atual prefeito e candidato à reeleição pelo MDB, Edinho Araújo, declarou o maior patrimônio, de R$ 1.785.374,43. Entre os bens declarados o mais caro é uma chácara em Rubinéia (SPO) avaliada em R$ 424.396,85 e o mais barato um Opala Chevrolet, ano 1989, anunciado por R$ 5 mil. Em segundo lugar no ranking patrimonial está o médico Paulo Bassan (PRTB), com R$ 1.738.954,98. Na lista de bens, o de maior valor é uma propriedade rural em Guzolândia/SP e o menor cotas da Unimed, totalizando R$ 653,78.

Na terceira colocação está o empresário Marco Casale (PSL), com R$ 1.565.266,00, sendo que R$ 1.000.000,00 são de quotas do capital da NSTHEL Construtora Ltda, sendo 50% do valor total. A menor quantia é em aplicações financeiras no banco Santander, num montante de R$ 169,99. 

Quarto mais abastado de acordo com a declaração no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Filipe Marchesoni (Novo) tem como patrimônio R$ 1.014.678,06, sendo R$ 870 mil em cotas da empresa OFC Indústria e Comércio de Produtos para Escritório Ltda. Uma aplicação de R$ 500 em fundo de investimento e R$ 700 em dólares americanos adquiridos em 2018 são os menores bens. 

Em quinto, no quesito patrimonial, está a coronel reformada da Polícia Militar, Helena dos Santos Reis (Republicanos), com R$ 944.441,64. O patrimônio da candidata é composto por quatro imóveis e um automóvel, sendo uma casa de R$ 352.033,04 a mais cara e um terreno avaliado em R$ 98.070,06 o bem declarado de menor valor. 

A ex-vereadora Celi Regina (PT) aparece em sexto lugar, com R$ 218.856,09. O bem mais caro da petista corresponde a 50% de uma casa no Condomínio Green Village III, no bairro Higienópolis, e o menor é o saldo de R$ 1.516,85 em conta corrente no Banco do Brasil. 

Candidato pelo PCdoB, Carlos Alexandre fica na sétima colocação, com R$ 166.900,00. Um automóvel Hyundai Tucson, 2018/2019, declarado por R$ 105 mil, é o bem de maior valor. Já o menor é 0,5% de cotas da empresa San Martin Corretora e Administradora de Seguros Ltda, no total de R$ 50. 

Em oitavo, está o atual vereador Marco Rillo (PSOL), com R$ 70.140,43. Ele declarou três bens: um terreno com construção em alvenaria no bairro Boa Vista (R$ 67.752,63), uma linha telefônica da operadora Vivo (R$ 1.309,46) e um título do Palestra Esporte Clube (R$ 1.078,34). 

Na penúltima posição está o advogado e ex-secretário municipal Carlos Arnaldo (PDT), com R$ 40.880. Desse total, R$ 30.880,00 são de cotas da empresa Rio Doce Agropecuária Ltda e R$ 10 mil em espécie.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.