Richa exigiu aval para outros R$ 3,4 bi

Petistas e tucanos montaram nessa terça-feira, 29, em Curitiba um palanque ecumênico para o anúncio bilionário de investimentos em obras do PAC em mobilidade urbana. Mas antes de viabilizar o evento que colocou lado a lado no mesmo palanque o governador paranaense Beto Richa (PSDB), candidato à reeleição, e sua provável adversária em 2014, a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann (PT), os auxiliares da presidente Dilma Rousseff enfrentaram uma maratona tensa de negociações. Aproveitando o fato de o governo federal investir R$ 1,8 bilhão e emprestar outros R$ 700 milhões para o Estado investir em obras do metrô da capital paranaense, Beto Richa decidiu exigir também que a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) autorizasse a liberação de outros empréstimos contraídos em 2011 com o Banco Interamericano de Desenvolvimento, Banco Mundial, Banco do Brasil e BNDES - que somam R$ 3,4 bilhões.

BASTIDORES: Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2013 | 02h24

O STN alegava pendências com convênios da União e excesso de gasto com pessoal para não conceder o aval, mas para Richa os empréstimos estavam sendo travados para evitar que ele ampliasse sua capacidade de investimento em 2014, quando vai disputar a reeleição contra o PT. Após muitas negociações, só às 21h de anteontem o governador confirmou sua participação no evento, que já havia sido anunciado pelo Palácio do Planalto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.