Nelson ALMEIDA / AFP
Nelson ALMEIDA / AFP

Resumo das eleições 2018: vantagem de Bolsonaro sobre Haddad cai seis pontos, aponta pesquisa

Candidato do PSL lidera levantamento do Datafolha, presidente do Ibope diz que só ‘tsunami’ evita vitória de Bolsonaro e chefe de missão da OEA critica fake News; veja destaques desta quinta

O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2018 | 20h09

De segunda a sexta, o Estado publicará resumos com as principais notícias sobre as campanhas e o dia dos candidatos nas eleições 2018.

Confira abaixo os destaques desta quinta-feira, 25:

Bolsonaro 56% X 44% Haddad, diz pesquisa

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) lidera com 56% das intenções de votos válidos a pesquisa de intenção de voto do Datafolha para presidente da República divulgada nesta quinta-feira, 25. Fernando Haddad (PT) alcançou 44%.

Na comparação com o último levantamento, a diferença entre os candidatos caiu de 18 para 12 pontos percentuais em uma semana.

Presidente do Ibope diz que cenário de hoje aponta Bolsonaro eleito

O presidente do Ibope afirmou que o cenário atual indica a vitória de Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno das eleições 2018. Para Carlos Augusto Montenegro, só um “tsunami” evitaria que Bolsonaro fosse eleito e a dúvida está em qual será o tamanho da diferença entre os candidatos.

Na última pesquisa Ibope, divulgada na última terça-feira, 23, Bolsonaro tinha 57% dos votos e Fernando Haddad, 43%.

Haddad rebate declaração

Em campanha no Recife nesta quinta-feira, 25, Haddad minimizou as declarações de Montenegro.

"O diretor do Ibope tem o direito de ter a opinião dele, assim com o diretor do Vox Populi também tem", disse. "Se vocês fizerem a mesma entrevista com o diretor da Vox Populi, vão ouvir coisas diferentes."

No último levantamento do Ibope, divulgado na terça-feira, o capitão reformado do Exército lidera por uma diferença de 14 pontos porcentuais na contagem de votos válidos (57% a 43%). Já na mais recente pesquisa CUT/Vox Populi, divulgada hoje, a diferença é de seis pontos (53 a 47%).

Chefe de missão da OEA diz que uso de fake news no Brasil é sem precedentes

Após se encontrar com o candidato Haddad, a chefe da missão de observação eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA) disse que a disseminação de notícias falsas no Brasil por meio do WhatsApp é “sem precedentes”.

Para Laura Chinchila, que é ex-presidente da Costa Rica, o desafio é investigar os casos dentro de uma rede fechada, caso do aplicativo de mensagens.

TSE determina remoção de vídeo em que Bolsonaro insinua fraude eleitoral

Por 6 votos a 1, o Tribunal Superior Eleitoral determinou nesta quinta-feira (25) a retirada de um vídeo publicado nas redes sociais de Bolsonaro, em que ele sugere que, se perder a eleição, há uma fraude.

O vídeo foi publicado antes do primeiro turno dessas eleições 2018, quando o ex-capitão ainda estava internado após sofrer um atentado a faca em Juiz de Fora (MG).

Diplomata chinês minimiza críticas de Bolsonaro à relação comercial entre Brasil e China

O ministro-conselheiro da Embaixada da China no Brasil, Qu Yuhui, disse, nesta quinta-feira, 25,  que as ressalvas de Jair Bolsonaro (PSL) aos investimentos chineses são reflexo de “falta de conhecimento do conteúdo estratégico de nossa parceria.Bolsonaro disse que não venderia ativos de geração de energia a investidores chineses e acrescentou que eles estão "comprando o Brasil".

O que acontece entre as eleições e a posse do próximo presidente?

Com o fim da campanha eleitoral no próximo domingo, 28, e a definição do próximo presidente, começa um período de transição. O presidente atual, Michel Temer, deve criar uma equipe para fornecer dados essenciais do funcionamento da máquina pública à equipe do presidente eleito.

Veja o que acontece entre as eleições e a posse do próximo presidente no site do Estadão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.