Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Resumo das Eleições 2018: Lula é julgado pelo TSE e começa horário eleitoral

PT não precisa trocar nome de Lula hoje se candidatura for cassada; Doria é atacado em propaganda de França e Alckmin domina inserções na TV; veja as principais notícias do dia

Ana Beatriz Assam, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2018 | 20h05

De segunda a sexta, o Estado publicará resumos com as principais notícias sobre as campanhas e o dia dos candidatos nas eleições 2018.

Confira abaixo os destaques desta sexta-feira, 31:

Julgamento de Lula no TSE

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começou a julgar nesta sexta-feira, 31, o registro de candidatura à Presidência da República do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pelo PT.  Condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro pela Operação Lava Jato, no caso do tríplex do Guarujá, o petista está preso na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, desde 7 de abril. Acompanhe o julgamento aqui.

Se registro for negado, PT não precisa trocar Lula ainda hoje

O PT não é obrigado a apresentar um novo nome para a chapa ao Planalto ainda nesta sexta-feira, caso a candidatura do ex-presidente Lula seja cassada pelo TSE. O prazo para troca de candidato é dia 17 de setembro. 

No entanto,o PT ficaria fora de fora da campanha eleitoral na TV e no rádio, que começa neste sábado, até a indicação do substituto de Lula, alerta o advogado eleitoral e ex-ministro do TSE Marcelo Ribeiro. 

Para Marina, eleitor precisa de decisão rápida sobre candidatura de Lula

A presidenciável da Rede, Marina Silva, disse nesta sexta-feira, que o eleitor precisa de uma decisão rápida do TSE em relação à candidatura do ex-presidente Lula. A senadora se reuniu com empresários na Casa da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro.

"Todos os candidatos estão expondo suas propostas e existe um campo que não está dialogando com a sociedade, porque há um impedimento legal. Tem que decidir o quanto antes, para que a gente não crie mais confusão na cabeça do eleitor” disse, citando a Lei da Ficha Limpa e a inelegibilidade de Lula. 

Doria é atacado em primeiro dia de propagandas

No primeiro dia de campanha eleitoral na TV e no rádio, o atual governador de São Paulo e candidato à reeleição pelo PSB, Márcio França, dedicou boa parte de seu tempo de propaganda para ataques ao candidato do PSDB, João Doria

Em comercial veiculado na manhã desta sexta-feira, 31, a campanha de França usou uma marchinha de carnaval para relembrar o eleitorado da promessa não cumprida por Doria, que afirmou que permaneceria os quatro anos de mandato à frente da Prefeitura de São Paulo. 

O tucano também abordou o assunto logo em seu primeiro comercial no rádio, explicando sua decisão e reconhecendo que eleitores possam estar chateados.

Alckmin X Bolsonaro

A campanha eleitoral do ex-governador paulista Geraldo Alckmin, candidato ao Planalto pelo PSDB, vai veicular no rádio uma propaganda criticando o eleitor masculino do deputado Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência da República. 

No comercial, duas amigas conversam sobre um aplicativo de paquera e acusam, inclusive, o deputado de “agredir mulher”. Em pelo menos metade das inserções de Alckmin, já prontas para veiculação nas rádios, o tom é agressivo contra Bolsonaro.

A iniciativa é vista como uma estratégia de atrair o voto feminino. Segundo a última pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo, Bolsonaro tem apoio de 28% dos eleitores homens e apenas 13% das mulheres.

Alckmin domina inserções no horário eleitoral

Com o início do horário eleitoral gratuito na televisão nesta sexta-feira, começam também as inserções na programação diária. São 28 ‘spots’, de 15 a 30 segundos, veiculados das 5h à 0h, espalhados pelos intervalos das atrações. 

O presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin é o candidato com maior tempo de TV: são 12 spots por dia, com 434 aparições durante a campanha do 1º turno. O número de inserções é definido pelo TSE com base na representação no Congresso dos partidos da coligação.

Amoêdo não fez críticas aos direitos dos professores

O candidato à Presidência pelo Partido NOVO, João Amoêdo, não é autor do material que circula no WhatsApp e nas redes sociais e que faz críticas aos professores da rede pública. Segundo checagem publicada pelo Projeto Comprova, o texto atribuído ao presidenciável é, na verdade, de André Capella, filiado ao NOVO. 

O Comprova localizou a publicação original do texto, intitulado “Como ter um ensino básico de qualidade no Brasil?”, usando programas que buscam conteúdos removidos da internet. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.