Resultados na Baixada Fluminense ampliam espaço do PT no Rio

Apuração dos votos segue confirmando a expectativa do PT de reeleger o prefeito de Nova Iguaçu

Alexandre Rodrigues, Agência Estado

05 de outubro de 2008 | 20h52

A apuração dos votos na Baixada Fluminense confirmava até as 23h30 deste domingo, 5, a expectativa do PT de reeleger no primeiro turno o prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias. Com 80,4%dos votos apurados, o petista liderava com 64,98% dos votos válidos e já comemorava a vitória na quadra de uma escola de samba na periferia da cidade, cenário escolhido para a festa petista. O principal adversário dele, Nelson Bornier (PMDB), candidato do governador Sérgio Cabral, tem 33,6%. Lindberg foi beneficiado pela falta de outros concorrentes competitivos. Antonio Cotas (PSOL), Carlão (PSTU), José Renato (PCB) e Leo (PTC) tinham menos de 1%.   Veja também: A disputa pelas capitais   Confira as imagens da votação pelo Brasil Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos    A reeleição de Lindberg posiciona o prefeito como principal nome do PT para concorrer em 2010 ao governo do Estado. O resultado também amplia o espaço dele no PT do Rio, que teve desempenho pífio na capital. Lindberg defende que o PT se volte para a Baixada, que concentra um quinto dos 11,2 milhões de eleitores do Rio, para criar um palanque forte para o partido em 2010. O PT consegue reeleger Arthur Messias em Mesquita, que tem 57,93% dos votos com pouco mais de 72% dos votos apurados.   A expansão do PT na Baixada, no entanto, limitou-se a Belford Roxo, onde o petista Alcides Rolim também venceu no primeiro turno. Ele liderava com 65,5% dos votos, quando 74,23% das urnas haviam sido totalizadas. Ele batia com facilidade a candidata de Cabral, Sula do Carmo (PMDB), com 34%. O petista Professor Tarcísio venceu em Paracambi, mas o ex-prefeito da cidade, André Ceciliano (PT), não conseguiu ganhar na cidade vizinha, Japeri. O PT indicou o vice de Marcelo Simão (PHS) em São João de Meriti, mas o candidato, favorito nas pesquisas, perdeu para Sandro Matos (PR), considerado eleito no primeiro turno com 55,09% dos votos válidos com 74,01% dos votos apurados.   Em Duque de Caxias, a maior cidade da Baixada, a entrada do PT na coligação e a reunião do presidente Lula e do governador Sérgio Cabral no mesmo palanque para apoiar a reeleição do prefeito Washington Reis (PMDB) não impediram a liderança do PSDB na cidade. Com 90,14% das urnas totalizadas, o ex-prefeito tucano José Camilo Zito tinha 52,77% dos votos, contra 45,2% de Reis. Sem outros adversários competitivos, Zito reconquistou a prefeitura de Reis, seu desafeto, logo no primeiro turno.   No maior colégio eleitoral do interior, Campos dos Goytacazes (Norte Fluminense), as pendências judiciais do candidato do PDT, Arnaldo Vianna, impediram que a votação dele fosse divulgada pela Justiça Eleitoral. Como concorre sub júdice, os seus votos não foram considerados válidos, provocando uma distorção nos resultados. Com 99,38% das urnas apuradas, a ex-governadora Rosinha Garotinho (PMDB) tinha 117.994 votos, Arnaldo Vianna, 107.859 e a terceira colocada, professora Odete, 26.889 votos.   Em Volta Redonda, maior cidade do Sul Fluminense, o ex-prefeito Antônio Francisco Neto (PMDB), venceu no primeiro turno. Com 92,8% dos votos apurados, ele obteve 53,98%. Na Região Serrana, houve reviravolta no resultado previsto pelas pesquisas em Petrópolis. Com 89,04% das urnas apuradas, o petista Paulo Mustrangi trocou de posição com Ronaldo Medeeiros (PSB), que concorreu sub júdice. Os dois, que devem disputar o segundo turno, tinham 41,22% e 31,77%, respectivamente.   (Com Vladimir Platonow, da Agência Brasil)   Matéria ampliada às 23h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.