Registradas 2.511 ocorrências de irregularidades

TSE informa que Pernambuco e Rio Grande do Sul foram os Estados com maior número de casos

Fabio Graner e Mariângela Gallucci,

05 de outubro de 2008 | 17h44

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Edurado Caputo Bastos, informou há pouco que até às 16h30 foram registradas 2.511 ocorrências de irregularidades nas eleições municipais. Segundo os dados do TSE, 441 pessoas foram presas por prática de boca-de-urna, sendo 63 candidatos. No total, considerando as diferentes ocorrências, 101 candidatos foram presos, número considerado pequeno por Caputo Bastos em relação ao total de postulantes. Veja Também: Cobertura completa das eleições 2008 Especial: Perfil dos candidatos Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos TSE registra 168 prisões e casos de 509 irregularidades Imagens da votação pelo Brasil  "O ideal seria que não tivesse nenhum candidato preso, o ideal é que esses que se apresentam como representantes fossem os primeiros a dar o bom exemplo", comentou. O maior volume de ocorrências de irregularidades ocorreram nos Estados de Pernambuco (303) e Rio Grande do Sul (163).  Bastos relatou que em Goiânia, capital de Goiás, houve um problema de incompatibilidade do cartão de memória com urnas antigas, de 1998, que atingiu 60 urnas naquela cidade. Apesar do problema, que já está resolvido, o TSE decidiu que não vai adiar o prazo de votação, previsto para encerrar-se às 17 horas. Assim, as pessoas que em Goiânia estiverem na fila de votação dessas seções com problemas até o horário de encerramento receberão senhas para votar.  O ministro informou ainda que um total de 1.898 mil urnas foram substituídas até as 16h30, representando 0,5% do total. Apenas 5 seções em todo o País tiveram que fazer a votação manual, o correspondente a 0,001% do total de sessões em todo o Brasil. "A situação é absolutamente tranqüila", disse Caputo Bastos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.