Referências ao caso dominam posse de Ayres Britto no STF

O ministro Carlos Ayres Britto tomou posse ontem como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) em cerimônia com referências ao mensalão e a recentes casos de corrupção. Em seu discurso, Ayres Britto defendeu o respeito à Constituição. "Os magistrados não governam. O que eles fazem é evitar o desgoverno", disse o ministro, que ficará na presidência do STF somente até novembro, mês em que completa 70 anos e terá de se aposentar compulsoriamente.

O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2012 | 03h07

Chefe do Ministério Público Federal, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse que o órgão não se intimida. "São intoleráveis os que objetivam constranger o legítimo atuar de nossas instituições, mas não nos intimidaremos jamais."

O presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, foi direto. Em manifestação no plenário, pediu ao tribunal que julgue rapidamente o mensalão. "O tempo, temos certeza, não será empecilho para esta Corte levar à frente o julgamento dos processos relativos aos escândalos de corrupção que marcaram nossa História recente", disse. A solenidade teve a presença da presidente Dilma Rousseff. / MARIÂNGELA GALLUCCI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.