Chris Bonfatti/ Assessoria
Chris Bonfatti/ Assessoria

Rede formaliza candidatura de Mares Guia ao governo de Minas Gerais

Sociológo e professor, Mares Guia foi secretário de Estado de educação entre 1995 e 1998

Jonathas Cotrim , O Estado de S.Paulo

30 Julho 2018 | 22h41

BELO HORIZONTE - A Rede formalizou nesta segunda-feira, 30, a candidatura de João Batista Mares Guia ao governo de Minas Gerais nas eleições 2018. Ainda sem confirmar um nome para ocupar a vaga de vice, o partido mantém negociações para a formação de aliança com PPL e PRTB

Com a expectativa de ter a presença da presidenciável Marina da Silva (Rede) em pelo menos cinco visitas em Minas Gerais durante a campanha, Mares Guia disse que o maior desafio será se tornar conhecido antes das eleições. 

“O grande momento será através dos debates na televisão, pelos quais os mineiros saberão que eu sou candidato. Hoje, confesso que eu sou o menos conhecido dos pré-candidatos”, declarou Mares Guia. Se a Rede não formar coligações, Mares Guia terá cerca de oito segundos em cada bloco do horário eleitoal de rádio e TV.

Mares Guia afirmou que as negociações para as composições serão mantidas até a convenção nacional da Rede. “Pode ser que haja alguma articulação nacional da Rede, e obviamente uma coligação regional precisa se adaptar à nacional”, disse. Na convenção da legenda estavam presentes lideranças do PPL e do PRTB.

Além do candidato ao governo, a Rede formalizou também a candidatura de Kaká Menezes para ao Senado. “Lutando contra os gigantes que vamos lutar e enfrentando as dificuldades que vamos encarar, com o tempo de televisão que teremos, só conseguiremos vencer se estivermos juntos”, afirmou Menezes, que já foi candidato à prefeitura de Contagem em 2016.

Sociológo e professor, Mares Guia foi secretário de Estado de educação entre 1995 e 1998 durante a gestão do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB) – que está preso desde maio por envolvimento no esquema conhecido como Mensalão Mineiro. João Batista é irmão de Walfrido Mares Guia, ex-ministro do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Operação Lava Jato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.