Rede continua com PSB, afirma deputado

Segundo Walter Feldman, porta-voz do partido idealizado por Marina, aliança não muda com morte de Eduardo Campos, mas diz que chapa precisará ser reconstruída

ANA FERNANDES, Agência Estado

14 de agosto de 2014 | 10h13

SÃO PAULO - O deputado federal e porta-voz nacional do grupo idealizado por Marina Silva, Rede Sustentabilidade, Walter Feldman, disse nesta quinta-feira, 14, que o projeto político da coligação encabeçada por PSB e Rede vai continuar. "Não tenho a menor dúvida disso, isso deve prosseguir, não poderíamos imaginar outro caminho a não ser esse. O Eduardo, nessa outra dimensão, seguramente, é o que ele gostaria que nós fizéssemos. Isso faz parte da homenagem que nós pretendemos prestar a ele", disse em entrevista à Rádio Estadão. Para o deputado, porém, haverá um processo de reconstrução da chapa após a morte de Eduardo Campos, em acidente aéreo nessa quarta-feira, 13.

"Não temos o Eduardo agora, mas temos um programa que foi construído pelos dois (Marina e Eduardo) e por suas equipes. Com esse programa, pretendemos continuar. Ele é o elemento central, que é algo raro no Brasil", disse Feldman em relação ao discurso construído em torno de uma aliança "programática". O deputado disse que o sonho de Eduardo Campos e de Marina é hoje também o sonho da sociedade por uma política melhor.

O PSB tem dez dias para apresentar um novo candidato. O indicado pode ser integrante de qualquer partido da coligação, composta também pelo PPS, PHS, PRP, PPL e PSL.

Feldman admitiu que a aliança entre grupos tão distintos, como a Rede e o PSB, era sustentada centralmente por Campos, figura com grande capacidade de articulação intelectual e política, mas lembrou que Marina também tem essa capacidade de moderação entre os grupos. "Eles se aproximavam muito nessa habilidade que Eduardo Campos e Marina tinham de conversar diretamente. Em vários momentos difíceis da administração, na visão do metabolismo diferenciado dessas duas instituições, o papel do Eduardo e da Marina foram fundamentais."

Mas ressalvou que reconstruir a chapa, sem Campos, não será tarefa fácil. "O Eduardo não era mais um, era uma figura central", afirmou. Feldman avaliou que o grupo tem agora a missão de continuar a construir a "terceira via" na política nacional. "Temos o dever, a obrigação de superar eventuais e pequenas diferenças para trazer essa herança como um bastão e nos foi legado muito pelo Eduardo, na contribuição com a Marina, para que esse processo continue, o programa, a vontade de mudar, a terceira via que despolarize o Brasil."

Feldman se disse, assim como toda a Rede Sustentabilidade, muito "triste" e muito "impactado" por tudo que aconteceu ontem. "Como se diz, a ficha está caindo", disse na entrevista. Nessa quarta, ele foi para Santos ao lado de Marina, da amiga da ex-senadora Neca Setúbal e do coordenador de comunicação da campanha, Nilson de Oliveira. Naquele momento, Feldman relatou ao Broadcast Político quão chocada estava Marina com os eventos e contou ainda que, no último instante, tanto ele, Feldman, como Marina decidiram não pegar uma "carona" no jatinho de Campos pois precisavam chegar mais cedo aos compromissos que tinham agendado em São Paulo.

Na entrevista concedida à Rádio Estadão, Feldman disse ter construído uma admiração por Campos nos últimos dez meses de convivência mais intensa. "Ele se mostrou, além de um grande político, alguém capacitado para ser um estadista", disse ao mencionar também a "sensibilidade social" do candidato à Presidência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.