Kleber nNunes/Estadão
Kleber nNunes/Estadão

Rede abre processo por infidelidade partidária contra candidato aliado a 'bolsonaristas'

Na prática, procedimento pode resultar na expulsão e no cancelamento da candidatura de Julio Lossio em Pernambuco; candidato a governador disse que mantém apoio a Marina Silva e atacou corregilionários

Marianna Holanda e Kleber Nunes, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2018 | 18h19

A Executiva Nacional da Rede abriu um processo por infidelidade partidária, nesta quarta-feira, 19, contra o candidato ao governo de Pernambuco, Julio Lossio, que se aliou a bolsonaristas. Na prática, ele pode ser expulso da sigla e ter o seu registro de candidatura cassado. 

Lossio terá 24 horas mandar a sua defesa ao partido. Segundo interlocutor da sigla, o resultado deve sair na mesma noite. Para abrir o processo por infidelidade partidária, a Executiva alega que a Rede não está coligada com o PRP em Pernambuco, e tanto o Estatuto do partido quanto a lei eleitoral proíbem alianças sem coligação.

A presidenciável da Rede, Marina Silva, tem que contraposto a Jair Bolsonaro desde o início da campanha e criticado durante suas propostas. Na terça-feira, em São Paulo, a ex-ministra disse que o partido "desautoriza toda e qualquer articulação que possa, no mínimo, flertar com esse tipo de postura autoritária e antidemocrática”, ao ser questionada sobre o apoio dos bolsonaristas ao seu candidato em Pernambuco.

O candidato disse que mantém seu “apoio e militância em favor de Marina Silva”, mas que já espera algum tipo de punição da legenda. “É um direito deles”, afirmou. O médico criticou ainda seus correligionários pernambucanos, acusando-os de “laranjas-lima, verde por fora e amarelo por dentro”, em alusão às cores da Rede e do PSB, hoje no comando do Estado. 

“Parte dos integrantes da Rede gostariam que nossa campanha fosse algo apenas para fazer papel coadjuvante e servir ao projeto do PSB. Eles tinham cargos no governo e parecem querer voltar aos braços do Palácio das Princesas

Segundo o professor de Direito Eleitoral, Alberto Rollo, a expulsão e cancelamento do registro não são automáticos. Caberá à Justiça Eleitoral analisar o pedido do partido e se o afastamento foi justo. 

“Não é um processo assim tão simples. Tem que tomar cuidado com a propaganda, que não pode confundir o eleitor”, afirmou Rollo. “Mas o prazo final do Tribunal Regional Eleitoral para analisar esse tipo de caso é a data da eleição: 7 de outubro. E ainda cabe recurso no Tribunal Superior Eleitoral”. Além disso, a Rede não poderia substituir Lossio, uma vez que o prazo para isso foi 17 de setembro.

Conforme o Estado mostrou nesta semana, o candidato ao governo da Rede em Pernambuco recebeu o apoio de Luiz Meira (PRP) e Gilson Machado (PSL), apoiadores de Jair Bolsonaro (PSL). Ex-coronel da Polícia Militar, conhecido por ser “linha dura”, Meira chegou a ser o pré-candidato de Bolsonaro no Estado. Na semana passada, a Rede pernambucana chegou a soltar nota desautorizando a aliança com o coronel. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.