Evaristo Sa/AFP - 3/4/2018
Evaristo Sa/AFP - 3/4/2018

Radicais chamam mais atenção, afirma Meirelles

O ex-ministro da Fazenda e presidenciável do MDB minimiza resultado de pesquisas de intenção de voto

O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2018 | 05h00

O ex-ministro da Fazenda e presidenciável do MDB Henrique Meirelles afirmou nesta segunda-feira, 23, que é normal que campanhas mais polarizadoras se sobressaiam nesta fase de pré-campanha, que teria pouco apelo ao eleitor médio. Com 1% das intenções de voto segundo a mais recente pesquisa Datafolha, Meirelles também minimizou o resultado da sondagem, dizendo ser pouco provável que a situação das candidaturas seja definida com base nos números atuais.

+ Sem garantias de candidatura, Meirelles se filia ao MDB

“Nessa fase, é normal que mostrem essa polarização. Primeiro, porque é uma eleição ainda muito aberta, e é uma eleição em que aquelas posturas mais radicais, populistas, são as que chamam mais atenção nesta fase”, afirmou ele, durante debate promovido pela Câmara Americana de Comércio (Amcham) em São Paulo. Ele acrescentou que a situação “das candidaturas de centro só vai ser decidida ao longo da disputa”.

+ ENTREVISTA: ‘Bolsonaro e Ciro trazem instabilidade’, afirma Meirelles

Meirelles voltou a mencionar pesquisas qualitativas levadas em conta por ele para postular sua candidatura, em que apareceria como tendo as qualidades desejadas em um presidente: “seriedade, competência, honestidade e experiência”. “Me defino como candidato do crescimento, das reformas e contra o atraso”, afirmou o pré-candidato à plateia, formada por empresários e executivos de empresas.

+ Temer tenta ponte com o PSDB; Skaf reage em São Paulo 

Para um auditório lotado, ele defendeu o legado do governo Michel Temer e indicou que sua gestão seria de continuidade. Ele defendeu, entre outros temas, uma reforma política que contemple a adoção do voto distrital e uma reforma tributária nos moldes do que já vem sendo pensado pelo Congresso e pelo atual governo.

FLÁVIO ROCHA DIZ QUE TEM CONVERSAS CORDIAIS COM MDB

Após a apresentação, Meirelles foi questionado sobre a aproximação do PRB, que tem como pré-candidato ao Planalto o dono do grupo Riachuelo, Flávio Rocha. Na semana passada, Rocha afirmou que seu partido estava negociando uma aliança com o MDB e que o ex-ministro da Fazenda seria um “bom vice”.

+ Eleições 2018: Confira os pré-candidatos à Presidência

“Temos conversas cordiais. Mas é evidente que coloquei meu nome à disposição do MDB, que é o partido da redemocratização, que tem maior presença no País, então minha postulação é à Presidência”, respondeu Meirelles.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.