Quintão liga Lacerda a escândalo do mensalão

O candidato do PMDB à Prefeitura de Belo Horizonte, Leonardo Quintão, procurou ontem pela primeira vez vincular diretamente o adversário Márcio Lacerda (PSB) ao escândalo do mensalão. Em debate no jornal ''Hoje em Dia'', ele chegou a comparar o socialista a um "avião" do tráfico. Lacerda rechaçou a acusação e disse que Quintão está revelando a sua "verdadeira face" e mostrando "desespero".Quintão aproveitou a notícia de que o publicitário Duda Mendonça tem prestado consultoria informal à campanha adversária para levantar dúvidas sobre a inocência de Lacerda no escândalo. Citou uma visita do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares a Belo Horizonte no início da campanha e observou que foi o deputado Virgílio Guimarães - coordenador-geral da campanha de Lacerda - quem apresentou o empresário Marcos Valério à antiga cúpula petista."No tráfico de drogas, o que tem? Tem o avião, que pega a droga de um lado e leva para o outro. Pode ser comparado com isso. Ele (Lacerda) fez o contato. Está fazendo o contato do crime. A Justiça vai decidir se é crime ou se não é crime", disse.Na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Correios, Lacerda apareceu na lista de Valério como tendo recebido R$ 457 mil. Ele alegou que os recursos faziam parte de dívidas da campanha do presidente Lula com a produtora New Trade, responsável pelo marketing de Ciro Gomes - de quem foi tesoureiro em 2002. "Não fui indiciado pela PF, não fui denunciado pela CPI, sequer fui ouvido", reagiu. Lacerda disse que não responderia à "estupidez" da comparação feita pelo adversário, mas prometeu processá-lo. "Isso é má-fé, absoluta má-fé." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.