'Queda do PIB reforça pessimismo', diz Márcio França

Segundo coordenador financeiro da campanha de Marina Silva fator corrobora a má condução do governo atual

Ana Fernandes, Carla Araújo e Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

29 de agosto de 2014 | 16h53

O coordenador financeiro da campanha de Marina Silva, deputado federal Márcio França (PSB-SP) disse há pouco que dado divulgado hoje de retração de 0,6% do PIB, que caracterizou recessão técnica da economia brasileira, é mais um fator que corrobora a má condução do governo atual. Mas reforçou que não é um dado bombástico para o discurso eleitoral da oposição, até por ser um dado que era previsto. "Essas coisas são sistêmicas. A economia não costuma ter muito sopetão", disse França ao Broadcast Político. França argumentou que a economia brasileira há tempos vem apresentando indicadores negativos.

Apesar de ser um tema mais árido para a opinião pública, mais atenta a dados como emprego e inflação, França disse acreditar que o tema da recessão entre em pauta e cause impacto na popularidade da presidente Dilma Rousseff (PT). "Só não creio que vá ser central. Já há um clima de pessimismo e esse é mais um fato que acrescenta nesse pessimismo", disse.

Sem recessão. O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil sofreu variação negativa de 0,6% no segundo trimestre de 2014 comparado ao resultado dos três meses imediatamente anteriores, segundo dados do IBGE. Para o instituto, o resultado não configura recessão técnica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.