Fabio Pozzebom / Agência Brasil
Fabio Pozzebom / Agência Brasil

Quase 80% das candidatas negras em 2020 já sofreram violência virtual

Pesquisa do Instituto Marielle Franco consultou mulheres de 16 partidos em todo o Brasil

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2020 | 22h31

Quase oito a cada dez mulheres negras que são candidatas a prefeita ou vereadora nas eleições deste ano já sofreram algum tipo de violência virtual durante a campanha. A estatística é do Instituto Marielle Franco, que consultou candidatas de 16 partidos em todo o Brasil. O número de mulheres ouvidas ainda não foi divulgado.

A primeira versão da pesquisa, que vai ser divulgada nesta sexta-feira, 6, e foi feita com apoio da Terra de Direitos e Justiça Global, indica que 78% das candidatas negras relataram ter sofrido ofensas que variam desde xingamentos racistas em suas páginas na internet a ataques sincronizados durante transmissões ao vivo. Os autores desses ataques são candidatos ou grupos militantes de partidos políticos adversários (30%), grupos antifeministas, racistas e neonazistas (15%) ou grupos não identificados (45%). Os 10% restantes são pulverizados entre outros perfis.

Das mulheres atacadas, só 32,6% denunciaram os casos. Outras 29% não quiseram denunciar, e 17% afirmaram ter medo ou não se sentirem seguras para denunciar a violência que sofreram. Embora a pesquisa seja anônima, 8% das candidatas, afirmaram não se sentir à vontade paras responder as questões sobre denúncias.

Entre a parcela de candidatas negras que denunciaram os ataques, 31% afirmaram ter denunciado em plataformas digitais ou em suas próprias redes sociais, 29% afirmaram ter denunciado ao seu partido político e 29% afirmaram ter registrado boletim de ocorrência em delegacia comum especializada em crimes de informática.

Segundo a pesquisa, 70% das candidatas que sofreram ataques e fizeram a denúncia afirmaram que a atitude de encaminhar o caso às autoridades não representou mais segurança para o exercício de sua atividade político-partidária. Além disso, 71% delas relataram não terem recebido nenhuma formação ou apoio quanto a medidas de proteção que pudessem ajudar a superar as situações de violência a que foram submetidas. Entre as mulheres que afirmaram ter recebido apoio (29% daquelas que sofreram ataques), em 39% dos casos o apoio foi de movimentos sociais, em especial movimentos de mulheres negras e de negros em geral.

“A pesquisa realizada pelo Instituto Marielle Franco tenta retratar o impacto que a violência política tem sobre os corpos de mulheres negras candidatas nas eleições de 2020. É importante ressaltar que, historicamente, as mulheres negras que se colocam à disposição para concorrer ao pleito institucional têm sido recebidas por violências e opressões estruturais de raça, gênero e classe. Esperamos que esta pesquisa ajude a divulgar esse cenário no país e impulsione as autoridades públicas a pensar em medidas efetivas e imediatas de combate à violência que afeta mulheres negras das mais diferentes formas”, disse Anielle Franco, diretora executiva do Instituto Marielle Franco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.