'Quando o navio naufraga, os ratos saltam'

Demitido do Ministério do Trabalho no primeiro ano do governo Dilma Rousseff, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, disse ontem que o momento é de solidariedade à presidente da República.

Entrevista com

Erich Decat / Brasília, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2013 | 02h11

Qual sua análise sobre a queda da popularidade de Dilma?

É natural que os protestos acabem focando no poder central, que acaba canalizando tudo, mesmo não sendo o responsável por todas as questões, como diminuição de tarifa de transporte. É a hora de solidariedade. Não adianta a gente ficar atirando para todos os lados porque as pesquisas retratam o pior momento do governo, mas o que está posto pelas manifestações é contra tudo e todos. Quem acreditar que está imune vai errar.

A base aliada pode implodir?

O Congresso está atento. O senador Renan Calheiros, por exemplo, tem dado respostas defendendo diminuição de ministérios e colocando projetos importantes na pauta. Se a base implodir será a parte podre que vai embora. É como dizem: quando o navio dá sinal de naufrágio, os ratos são os primeiros a saltar.

Pode crescer o coro pela volta do ex-presidente Lula?

Não se pode falar em "volta Lula", porque isso não foi colocado. A Dilma representa o Lula. Alguém tem dúvidas disso? É um processo que temos que tomar muito cuidado para não nos precipitarmos.

Tudo o que sabemos sobre:
protestoprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.