Reprodução/Época/Divulgação
Reprodução/Época/Divulgação

Quadro de Youssef é 'estável', diz boletim médico

Cardiologista Rubens Zenobio Darwish, que assina o documento, contudo, informa que ainda não há previsão de alta

Julio Cesar Lima, especial para O Estado, O Estado de S. Paulo

27 de outubro de 2014 | 14h10

Curitiba (PR) - O doleiro Alberto Youssef, internado desde o último sábado, 25, com problemas de pressão, ainda permanece sob a escolta de dois policiais federais em um quarto da UTI coronariana do Hospital Santa Cruz, em Curitiba (PR), onde mantém, segundo boletim médico divulgado pouco antes do meio-dia, um "quadro clínico estável", conforme informações passadas pelo cardiologista Rubens Zenobio Darwish. O médico, porém, ressalta que não há previsão de alta, contrariando expectativa anterior de que sua passagem pelo hospital se reduziria a 48 horas.

O documento, assinado por Rubens Zenobio, foi divulgado às 11h30 desta segunda-feira e diz que Youssef está "consciente, lúcido e orientado". O boletim afirma ainda que os exames apontam quadro de normalidade do paciente.

No domingo, a Polícia Federal desmentiu boatos de que o doleiro havia morrido e informou que ele poderia ter alta até terça-feira. Ainda segundo a PF, depois de sair do hospital Youssef deve retornar à carceragem da PF na Superintendência Regional em Curitiba.

Youssef passou mal no sábado, dois dias depois de a revista Veja publicar que ele teria afirmado à PF que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Rousseff sabiam do suposto esquema de corrupção na Petrobras. Ele tem problemas cardíacos e já havia apresentado quadro similar em outras duas ocasiões. Em nota divulgada no domingo, a PF informou que o doleiro teve uma "forte queda de pressão arterial causada por uso de medicação no tratamento de doença cardíaca crônica". 

Tudo o que sabemos sobre:
ALberto YoussefLava JatoPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.