André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

PT se reúne em Brasília para definir estratégia de campanha

Durante o encontro, que contou com a presença dos principais caciques do partido, sigla definiu que deve 'botar o bloco na rua'

Mariana Haubert e Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2018 | 19h01

BRASÍLIA - O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad se reuniu nesta quarta-feira, 15, em Brasília, com os principais caciques do PT para definir as estratégias de como o partido levará a campanha presidencial para as ruas.

Candidato a vice-presidente na chapa encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Haddad deverá começar a campanha em viagens pelo Nordeste, priorizando inicialmente a Bahia porque o candidato do partido à reeleição no Estado, Rui Costa, está bem cotado nas pesquisas. "Se tem um resumo dessa reunião é que defendemos botar o bloco na rua", afirmou o ex-governador da Bahia Jaques Wagner, candidato a senador pelo PT baiano.

De acordo com Jaques Wagner, os governadores presentes ao encontro defenderam apressar a circulação da chapa pelo País. "Ele como vice registrado pode rodar o Brasil apresentando o programa de governo. [...] Ninguém ganha eleição sem fazer campanha e, como Lula não pode fazer a campanha, Haddad faz como vice", disse.

Para Wagner, a exposição de Haddad à frente da campanha nacional petista não passará a ideia de que o partido abandonou a candidatura de Lula. "Ninguém sombreia o Lula. Então não tem problema. Nós não estamos aceitando nada do que está posto", disse.

Questionado sobre se, eventualmente, seu nome poderia novamente ser posto como uma das possibilidades para se substituir Lula caso sua candidatura seja impugnada pela Justiça, Wagner negou a possibilidade e disse que esta já é uma questão superada.

Em conversa com jornalistas, o ex-ministro tentou corrigir uma declaração recente em defesa do direito de o ex-prefeito ser mais exposto pelo partido.

TV ESTADÃO - PT registra candidatura de Lula ao Palácio do Planalto

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.