PT retoma tempo na TV e espera 'turbinar' Haddad

TSE manteve multa à presidente Dilma e ao partido por propaganda antecipada em 2010, mas liberou inserções diárias, que totalizarão 15 minutos

FERNANDO GALLO, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2012 | 03h03

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu, anteontem à noite, manter um tempo da propaganda partidária do PT na TV e no rádio que o próprio partido já dava como perdido. A direção petista quer utilizar as inserções para turbinar a pré-candidatura de Fernando Haddad em São Paulo para tentar tirá-lo dos 3% de intenções de voto.

Ao julgar uma ação contra o PT por propaganda eleitoral antecipada da então candidata Dilma Rousseff em 2010, o TSE manteve multa à presidente e ao partido, e cassou os programas em bloco, com duração de 10 minutos, a que o PT teria direito no primeiro semestre deste ano. Mas decidiu manter as inserções diárias, que têm de 30 segundos a 1 minuto, e irão ao ar a partir da terça-feira da semana que vem. Somadas, as inserções totalizarão 15 minutos, e serão exibidas em três dias, com um total de 5 minutos para cada um.

A decisão do tribunal gerou um corre-corre no PT. Haddad encontrou-se no fim da manhã de ontem com o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva e o marqueteiro João Santana na sede do Instituto Lula, em São Paulo. Os três conversaram sobre a decisão do TSE e a linha que deverá ser adotada na propaganda partidária. Um dia antes, Haddad não tinha nenhuma previsão de se encontrar com o ex-presidente. Lula também tratou do tema por telefone com o presidente nacional do partido, Rui Falcão.

Separação. Embora o programa seja nacional, tecnicamente o PT pode separar a cadeia de rádio e TV, e hoje deve definir a separação da capital paulista e sua região metropolitana do restante da rede. Com isso, poderá usar Haddad em um número maior de inserções. O ex-ministro, no entanto, não deve aparecer em todos os "programetes", porque deverá dividir o espaço com Lula e Dilma. O tempo a ser destinado ao pré-candidato será discutido hoje entre a direção nacional e o diretório municipal.

"A direção nacional ainda vai se reunir para discutir como utilizar o tempo e qual vai ser a linha do programa", sustentou ontem um cauteloso Haddad, que há semanas, assim como o partido, jogou a toalha e sustentava que seu crescimento nas pesquisas só se daria em agosto, com o vigor do horário eleitoral gratuito na televisão e no rádio.

Ainda que legalmente não possa fazer campanha, o PT usará o espaço para promover a imagem do ex-ministro da Educação, e associá-lo ao ex-presidente, à atual presidente e ao partido. A legenda assumirá, com isso, o mesmo risco que assumiu com Dilma em 2010, justamente o que fez o PT perder parte de sua propaganda partidária neste ano. No partido, no entanto, há consenso de que é necessário repetir a estratégia de dois anos atrás, mesmo sob risco de novas penalidades, já que é a única mídia nacional que o PT terá no primeiro semestre, uma vez que as grandes emissoras de televisão ainda não começaram a cobrir a campanha. A tática, dizem integrantes da direção do partido e da pré-campanha, funcionou para tornar Dilma conhecida e elevar as intenções de voto.

Além dos 15 minutos em inserções do programa nacional, os petistas ainda terão dois minutos e meio em inserções estaduais em 22 de junho, resquícios do tempo de televisão do PT paulista, que também foi quase todo cassado pela Justiça Eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.