PT pernambucano tem que se repensar, diz liderança estadual

'É preciso desenvolver um processo interno de reforma, de mudança em procedimentos e atitudes', defendeu Humberto Costa

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

26 de outubro de 2014 | 10h39

RECIFE - Independente do resultado da eleição do segundo turno, o coordenador da campanha da presidente Dilma em Pernambuco, senador Humberto Costa (PT), propõe que partido "se repense"."É preciso desenvolver um processo interno de reforma, de mudança em procedimentos e atitudes", defendeu, em entrevista, na manhã deste domingo, em café que oferece para partidos aliados e militantes, no salão de festas do prédio onde mora, no bairro de BoaViagem,  no Recife.

O PT pernambucano foi derrotado no primeiro turno da eleição pelo PSB do ex- presidenciável Eduardo Campos, morto em um acidente aéreo em agosto. O partido não elegeu o candidato ao governo estadual,  que apoiou, o senador Armando Monteiro Neto (PTB), não fez o senador - o candidato foi o ex-prefeito do Recife e deputado federal petista,  João Paulo - nem conseguiram eleger nenhum deputado federal.

"Esta seria uma eleição tranquila se não tivéssemos cometido erros na parte da comunicação e do diálogo com a sociedade", admitiu Costa. O posicionamento do PT em relação ao novo governo estadual - Paulo Câmara,  do PSB, foi eleito com 68% dos votos no primeiro turno - e à Prefeitura do Recife,  também nas mãos dos socialistas,  deve ser fruto, na opinião do senador, "de uma discussão interna profunda" e diálogo com partidos aliados.

A presidente estadual do PT, deputada estadual Teresa Leitão, o candidato derrotado petebista Armando Monteiro Neto e a vereadora Marília Arraes (PSB) participam do encontro e posaram para fotos com cartazes de apoio à Dilma. Prima de Eduardo Campos, Marília é dissidente do partido e está na oposição ao PSB estadual.

Agressões. Costa afirmou que as acusações de agressividade e baixo nível feitas pelo PSDB contra o PT não têm fundamento. "São quatro anos de campanha que a oposição e a mídia fazem contra a presidente, que vem sofrendo todo tipo de agressão: pessoal, política e de capacidade de gestão", avaliou. "Baixaria é o que eles vêm fazendo há quatro anos".

Ele vota ainda pela manhã e à tarde acompanha o resultado da eleição provavelmente no comitê estadual do partido. Se a vitória de Dilma, apontada pelas pesquisas, se confirmar, a comemoração será na Praça do Marco Zero, no Bairro do Recife Antigo. Humberto Costa acredita que Dilma será reeleita com 5% a 6% de vantagem sobre o tucano Aécio Neves.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.