Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

PT permanece sem alianças para eleições no RS

Convenção do partido, marcada para 28 de julho, poderá oficializar chapa pura

Filipe Strazzer, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2018 | 10h53

PORTO ALEGRE - A menos de duas semanas da convenção estadual, o PT do Rio Grande do Sul está sem coligação para a disputa eleitoral no Estado. Dificuldades como alinhamento programático e pulverização de candidaturas também podem fazer com que o PT chegue ao evento partidário marcado para 28 de julho sem nenhum partido ao seu lado. A sigla já governou o Estado em duas oportunidades.

Pré-candidato do PT ao governo gaúcho é vaiado ao defender Lula em evento

A prioridade do PT - do pré-candidato Miguel Rossetto - é uma coligação com o PCdoB, que tem Abigail Pereira como postulante ao governo. “As tentativas não foram conclusivas. Essas conversas continuam, na medida em que há no plano nacional uma conversa do PT com o PCdoB”, disse ao Estado o presidente estadual do PT, deputado federal Pepe Vargas. O PT e o PCdoB estiveram juntos nas últimas seis eleições ao Palácio Piratini.

Vargas afirmou que há uma “pulverização de candidaturas” no Estado, mas que o PT gaúcho não busca agregar siglas com “baixa representação social”. O deputado disse que seu partido também quer somente aliados com ideias próximas às do PT. “Não buscamos quem apoia a retirada de direitos trabalhistas e de direitos previdenciários. E isso reduz nosso horizonte de alianças."

Maioria dos pré-candidatos ao governo na região sul ainda não possui vice para as eleições 2018

De acordo com Vargas, há chances de o PT chegar à convenção sem ter aliados no Estado e ser obrigado a buscar nomes próprios para a composição da chapa. “Talvez ocorra de fazermos o encontro sem ainda termos uma definição de coligações, e aí poderá se delegar ao diretório estadual a complementação da chapa majoritária”, disse o presidente da sigla. Miguel Rossetto ainda não tem vice definido. Para o Senado, o PT conta com a pré-candidatura à reeleição de Paulo Paim.

O presidente estadual do PCdoB, Adalberto Frasson, disse que o partido foi procurado pelo PT e pelo PDT, mas que a sigla permanece com a pré-candidatura de Abigail Pereira ao governo do Estado. "O cenário indica que, para as nossas pretensões, podemos contribuir com uma candidatura nossa”, afirmou.

Aumento da violência coloca segurança como prioridade no Rio Grande do Sul nas eleições 2018

Além de PT e PCdoB, o PMB e o Novo não formaram alianças - e formalizaram pré-candidatos ao Piratini. Dieison Engroff, presidente estadual do PMB, disse que seu partido busca alianças com siglas nanicas, mas que ainda não fechou com nenhuma. O partido tem como pré-candidato Luiz Fernando Portella, com Danielle Lima de vice. O Novo optou por não fazer alianças - a chapa pura é composta pelo pré-candidato ao governo Mateus Bandeira e Bruno Miragem como vice.

Coligados

O pré-candidato do PDT ao Piratini, Jairo Jorge, terá em sua chapa PV, Podemos, Solidariedade, Avante e PPL. O postulante tucano, Eduardo Leite, fechou com PTB, PPS e PHS. O deputado federal e pré-candidato do PP, Luis Carlos Heinze, tem aliança com DEM, PSL e PROS. O vereador de Porto Alegre, Roberto Robaina, postulante do PSOL, firmou apoio do PCB.

Eleições 2018: conheça os nomes que podem ser candidatos a governador do RS

O atual governador gaúcho, José Ivo Sartori (MDB), que continua sem confirmar nem descartar sua candidatura à reeleição, deverá ter em sua chapa o PSD - de seu vice, José Paulo Cairoli - e o PSB, caso confirme a postulação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.