PT oficializa apoio a Eduardo Paes, do PMDB, no Rio

Com discurso de enfrentar o PSDB, o presidente regional do partido disse que agora quer apoio de Lula

Luciana Nunes Leal, de O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2008 | 14h09

O PT do Rio  formalizou na manhã desta quarta-feira, 8,  apoio ao candidato do PMDB à prefeitura do Rio, Eduardo Paes, com um discurso nacional de enfrentar o PSDB, que está na coligação do concorrente do PV, Fernando Gabeira. Paes esteve na sede do partido e preferiu falar em união com o governador Sérgio Cabral e com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em benefício da cidade. O presidente regional do PT, Alberto Cantalice, disse que o próximo passo será tentar obter manifestação direta de apoio do presidente Lula a Paes.    Veja Também: DEM fecha apoio e Gabeira diz que partido é 'bem-vindo' Especial: Perfil dos candidatos no Rio   Vereador digital: Depoimentos e perfis de candidatos em São Paulo   Tire suas dúvidas sobre as eleições   Na terça-feira, Lula disse que sua participação na campanha do Rio dependeria da decisão do PT. "Há um bloco liderado pelo presidente Lula e um bloco do democtucanato. Estamos unidos contra esse tucano verde", afirmou Cantalice, em referência ao fato de Gabeira ter recebido apoio do DEM no segundo turno.   "A prova de que Lula é a favor da aliança (com Eduardo Paes) é que fizemos a aliança. Se ele dissesse não, não faríamos. Agora, vamos trabalhar para o presidente participar", disse o dirigente petista. Paes, que como deputado do PSDB foi um dos maiores críticos do presidente Lula e do governo, durante o escândalo do mensalão, disse que está formando uma frente de partidos para "romper o isolamento político do Rio".   "Ninguém aqui esconde seu passado e sua história. Estão aqui pessoas que reconhecem seus erros, seus exageros e seus acertos", discursou o peemedebista. O candidato derrotado do PT, deputado estadual Alessandro Molon, não foi à solenidade de formalização da aliança. Compareceram a ex-governadora Benedita da Silva, deputados estaduais e vereadores eleitos, como Elton Babu, irmão do deputado estadual Jorge Babu, que está sendo investigado por suspeita de envolvimento com um grupo de milícia da zona oeste carioca e está suspendo temporariamente do partido. A comissão de ética dará um parecer sobre a permanência ou expulsão do parlamentar até o fim do mês, segundo Cantalice.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.