Pabro Kennedy/Futurapress
Pabro Kennedy/Futurapress

PT negocia neutralidade do PSB nas eleições 2018 em troca de acordos regionais

Petistas tentam evitar o apoio dos pessebistas a Ciro Gomes; conversas incluem candidaturas aos governos em Minas Gerais e Pernambuco

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2018 | 05h00

Dirigentes do PT disseram nesta segunda-feira, 30, durante reunião do Conselho Consultivo do partido, em São Paulo, que os petistas não negociam mais uma coligação nacional com o PSB nas eleições 2018. O objetivo do PT, agora, é evitar que o PSB se alie formalmente a Ciro Gomes  (PDT), e libere suas lideranças estaduais para apoiar o candidato a presidente que considerem melhor. 

A negociação passa por acordos entre PT e PSB em Pernambuco e Minas Gerais. Em Pernambuco, o PT forçaria a saída de sua pré-candidata, a vereadora Marília Arraes, abrindo caminho para a candidatura à reeleição do governador Paulo Câmara (PSB). Em Minas, seria o inverso. O ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB) abandonaria a disputa, em favor do petista Fernando Pimentel, que concorre à reeleição.

O PT já adiou duas vezes o encontro nacional que vai definir a posição do partido em Pernambuco em nome das negociações com o PSB. Segundo petistas pernambucanos, Marília tem hoje a maioria do diretório estadual. 

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, negou os termos da negociação. Segundo ele, a possibilidade de apoiar o PT ainda não foi totalmente descartada. No domingo, 5, o partido vai decidir entre uma coligação com os petistas, apoio a Ciro ou liberar as lideranças estaduais. O governador de São Paulo, Márcio França (PSB), defende uma candidatura própria, mesmo que seja para perder a eleição. França não quer abrir mão do tempo do partido no horário eleitoral da TV, mas é minoria.

“Não discuti isso (acordo regional envolvendo Lacerda) com ninguém. O PT condicionou a retirada da Marília a um acordo nacional”, afirmou Siqueira. 

O PT ainda negocia alianças com o PROS e o PCdoB. Segundo dirigentes do partido, emissários levaram ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado pela Lava Jato e preso em Curitiba, a sugestão de que Manuela d’Ávila, pré-candidata do PCdoB, seja a vice na chapa petista. Lula não se manifestou. 

A escolha do vice é motivo de divergências no PT. Correntes influentes dizem que o partido deve escolher logo um nome dentro de suas próprias fileiras. Um grupo prefere que o vice seja um nome “fraco”, que não seja visto como possível “plano B” a Lula. Outros petistas acham melhor que o vice seja o possível substituto de Lula.

Presidente do PT, a senadora Gleisi Hoffmann (PR) publicou um texto na página do partido no qual critica lideranças da esquerda que admitem uma eleição sem Lula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.