PT movimenta R$ 1 bi na eleição e bate PMDB

Petistas tiveram maior aumento em volume de receitas entre 2008 e 2012, de R$ 361 milhões; em 2º lugar, PMDB obteve R$ 933 milhões

AMANDA ROSSI, JOSÉ ROBERTO DE TOLEDO, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2012 | 02h05

O PT foi o partido que mais movimentou dinheiro nas eleições municipais deste ano. As arrecadações de candidatos, comitês de campanha e diretórios petistas somam mais de R$ 1 bilhão, segundo prestação de contas divulgada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Com isso, o PT ultrapassou o PMDB, campeão de arrecadação nas eleições de 2008.

É provável que haja dupla contagem de parte desses recursos, por causa da maneira como é feita a prestação de contas eleitorais. Partidos, comitês e candidatos arrecadam e repassam recursos entre si e para outros partidos e candidatos, tornando impossível saber quem doou quanto para quem. De qualquer modo, a dupla contagem tende a existir para todos os partidos.

Do R$ 1,012 bi movimentado pelo PT em 2012, R$ 602 milhões foram direto para as contas dos candidatos petistas. O restante foi arrecadado de forma indireta: R$ 146 milhões foram captados por comitês eleitorais e R$ 264 milhões foram doados aos diretórios do partido.

O PT é a legenda que mais concentra doações na cúpula: 26% do que o partido arrecadou passou pelas mãos dos dirigentes petistas - o que só aumenta o seu poder interno.

Em 2012, o PT abocanhou uma fatia maior do bolo movimentado pelos partidos. Sua parte cresceu de 14% para 16% do total, em comparação a 2008.

Na eleição de quatro anos atrás, a Justiça Eleitoral não exigia a prestação de contas das direções dos partidos, por isso não é possível comparar os valores totais arrecados em 2012 e em 2008. Considerando-se apenas as receitas de candidatos e comitês, comuns às duas prestações, o crescimento de arrecadação do PT foi de R$ 361 milhões - o maior em valores absolutos entre todas as legendas.

Causa e efeito. O PMDB movimentou R$ 933 milhões - R$ 286 milhões a mais do que em 2008. Mesmo assim, a fatia peemedebista na receita dos partidos ficou menor. Resultado: perda de prefeituras.

O PSDB ficou em terceiro lugar no ranking: R$ 735 milhões circularam pelas suas contas, 40% a menos que o PT. Em 2008, tucanos e petistas haviam arrecadado praticamente o mesmo valor. Como o PMDB, o PSDB também elegeu menos prefeitos.

O aumento da receita do PT se transformou em mais votos, mais prefeituras e mais vereadores. O maior beneficiário foi Fernando Haddad, eleito para a Prefeitura de São Paulo: 90% de tudo que sua campanha recebeu veio da direção do PT (R$ 13,7 milhões) e do Comitê Municipal Único do partido (R$ 24,2 milhões). Os 10% restantes vieram principalmente de empreiteiras, bancos e incorporadoras imobiliárias. Mesmo assim, as contas de Haddad não fecharam: o déficit é de R$ 25,9 milhões.

O PSB, partido que mais cresceu em número de eleitos e quantidade de votos em 2012, foi o quarto que mais movimentou dinheiro. Passaram pelos cofres do partido de Eduardo Campos, governador de Pernambuco, R$ 476 milhões, menos da metade do PT. Marcio Lacerda, reeleito em Belo Horizonte (MG), liderou o ranking interno do PSB, com R$ 21,5 milhões.

O PSD estreou em eleições no quinto lugar entre os que mais arrecadaram. Foram R$ 375 milhões, 31% mais que o DEM, legenda que perdeu políticos para a sigla criada por Gilberto Kassab. No total, as eleições de 2012 movimentaram R$ 5,9 bilhões. Desse total, R$ 4 bilhões foram doados diretamente aos candidatos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.