PT já reclama de possível fusão de pastas em reforma

Partido fez chegar ao Planalto insatisfação quanto à provável fusão de ministérios; presidente diz que 'avalia cenários'

VERA ROSA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2011 | 03h02

O comando do PT fez chegar à presidente Dilma Rousseff que o partido não vê com bons olhos a fusão dos ministérios "das minorias" em uma única pasta. Apesar de ser a primeira mulher eleita presidente do Brasil, Dilma não considera necessário ter uma secretaria especial só para cuidar do gênero feminino, mas enfrenta resistências para fazer o enxugamento da máquina.

A alegação dos petistas contrários à reforma mais ampla é de que essas cadeiras representam "conquistas" dos movimentos sociais e, além de tudo, têm baixo orçamento. Na prática, Dilma só mantém a Secretaria de Políticas para as Mulheres por seu caráter simbólico.

"Nós decidimos, no 4.º Congresso do PT, que as direções do partido, a partir de agora, terão cota de 50% para mulheres. Então, é preciso analisar tudo isso com muito cuidado", afirmou o deputado José Guimarães (CE), vice-líder do governo e vice-presidente do PT.

Em mais de uma ocasião, Dilma confidenciou o plano de incorporar as mulheres no guarda-chuva do Ministério dos Direitos Humanos, dirigido por Maria do Rosário, que também abrigaria Igualdade Racial. Bastou a notícia "vazar", no entanto, para que chovessem protestos por parte do PT.

Contrariada, a presidente disse a auxiliares que está avaliando vários cenários e ainda não bateu o martelo sobre a fusão de ministérios na reforma prevista para o fim de janeiro ou começo de fevereiro de 2012. "Eu não tenho intérprete", insistiu ela.

Eleição. Única representante da corrente Articulação de Esquerda na Esplanada, a ministra das Mulheres, Iriny Lopes, quer disputar a Prefeitura de Vitória (ES), em 2012, mas sua candidatura não é consenso dentro do PT. De qualquer forma, ela deve deixar a equipe, assim como Luiza Bairros (Igualdade Racial) e Luiz Sérgio (Pesca).

Pelos planos de Dilma, o Ministério da Pesca pode ser acoplado ao da Agricultura. Já a pasta de Portos, comandada pelo PSB, deve ficar com Transportes, que sofreu uma "faxina" no rastro do escândalo de corrupção.

"É muito positivo e coerente agregar alguns dos 38 ministérios", resumiu o presidente do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), sem se importar de comprar briga com o PT. Na contramão das fusões, a empresária Luiza Trajano, do Magazine Luiza, deve assumir a nova Secretaria da Micro e Pequena Empresa, em 2012. Projeto de lei que cria a secretaria - com status de ministério e subordinada à Presidência - foi enviado ao Congresso, em março. Trata-se de uma promessa da campanha de Dilma, no ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.