PT insiste que queda de Dilma é só uma fase

O PT voltou a minimizar a queda da presidente Dilma Rousseff na pesquisa Ibope encomendada pelo Estado e divulgada na quinta-feira, enquanto dirigentes do PMDB falam com cautela sobre o cenário, à espera de uma recuperação da popularidade da petista. Apesar de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se mostrar mais competitivo que sua sucessora, os petistas seguiram sua orientação e enfatizaram que "Dilma é a candidata".

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2013 | 02h11

Dilma teve uma queda de 28 pontos porcentuais na sondagem, passando de 58% (em março) para 30%. A ex-ministra Marina Silva ficou em segundo lugar no cenário estimulado, com 22%, seguida pelo senador tucano Aécio Neves (13%) e pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), com 5%. Em março. Marina tinha 12%, Aécio 9% e Campos 3%.

"Ainda é reflexo das manifestações", disse o vice-presidente da Câmara, André Vargas (PT-PR). "Lula deixou claro mais uma vez que não é candidato e que não há ninguém mais qualificado para comandar o Brasil do que Dilma", escreveu o ex-ministro José Dirceu em seu blog. Líder do PMDB, o deputado Eduardo Cunha (RJ) foi direto: "Precisa avaliar se o cenário vai mudar ou não". Já para os oposicionistas, o cenário é muito favorável: "Aécio e Marina juntos têm 35%", comemorou o deputado Rubens Bueno (PPS-PR). / RICARDO DELLA COLETTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.