Thiago Queiroz/Estadão
Thiago Queiroz/Estadão

PT entra com representação contra a Globo por Padilha

Candidato petista ao governo de São Paulo quer garantir exposição na cobertura diária da emissora, que só acompanha candidatos com intenções de votos acima de 6%

Valmar Hupsel Filho, O Estado de S. Paulo

18 de agosto de 2014 | 17h38

A assessoria jurídica do candidato ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha (PT), entrou neste domingo com representação com pedido de liminar contra a TV Globo para garantir que a cobertura da emissora à candidatura petista. A rede estabeleceu que só iria fazer a cobertura diária das agendas dos candidatos com porcentuais acima dos 6% nas pesquisas de intenções de votos e semanal para quem tem acima de 3%.

Ao adotar este filtro, a Globo restringe sua cobertura diária aos candidatos Geraldo Alckmin (PSDB) e Paulo Skaf (PMDB). Eles possuem, respectivamente, 55% e 16% das intenções de votos segundo mais recente pesquisa Datafolha, divulgada na sexta-feira passada. Padilha tem 5%, segundo a mesma aferição. Os demais candidatos - Gilberto Natalini (PV), Raimundo Sena (PCO), Wagner Farias (PCB) Laércio Benko (PHS) Gilberto Maringoni (PSOL), Walter Ciglioni (PRTB) - não chegam a R$ 2%.

O advogado Marcelo Nobre, da assessoria jurídica da candidatura petista, argumenta que a Globo não leva em consideração a margem de erro das pesquisas - de 2% no caso da Datafolha. As intenções de votos de Padilha variam num universo entre 3% e 7%, o que lhe credenciaria a ser acompanhado pela emissora, argumenta o advogado. "Além disso, a TV Globo não considera a votação histórica do PT, que é em torno de 30% em São Paulo", disse.

Na representação, o PT pede que todos os candidatos sejam tratados com isonomia. A ideia é fazer com que todos ou, no caso de rejeição do pedido, nenhum deles seja acompanhados pela TV. Segundo o advogado, a emissora adota um critério utilizado em entrevistas e debates, mas que não se aplica na cobertura diária. "Quem perde é o eleitor que não toma conhecimento das alternativas disponíveis", disse.

A intenção da campanha petista é derrubar esta decisão antes da próxima pesquisa, prevista para ser divulgada dia 29, e evitar que Padilha fique sem a exposição diária na TV durante este período. Entre os três principais candidatos, o ex-ministro da Saúde é o que mais necessita da exposição de sua imagem na TV para se tornar mais conhecido pelo eleitorado paulista.

No melhor dos cenários, Padilha já perde pelo menos cinco dias de exposição. A Globo tem até a quinta-feira (21) para apresentar a defesa e o TRE deve decidir sobre o mérito da matéria somente na sexta (22).

Estado não conseguiu contato com o jurídico da Globo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.