PT confirma Haddad candidato e Maluf oferece ajuda a programa

Petista ataca prefeito e defende as alianças do partido; malufista é aplaudido ao dizer que 'só ele" pode melhorar SP

O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2012 | 03h05

Depois de comparecer às convenções do PC do B e do PSB, que homologaram o apoio à sua candidatura, o ex-ministro da Educação Fernando Haddad foi confirmado ontem, em encontro do PT na Câmara Municipal, como candidato do partido à Prefeitura de São Paulo. Representando o PP, seu secretário-geral, Jesse Ribeiro, informou que o deputado federal Paulo Maluf quer participar da formulação do plano de governo de Haddad. "Afinal de contas, justificou, Maluf já foi prefeito duas vezes. Ele quer que o Haddad seja um prefeito melhor que ele".

Gripada, a deputada Luiza Erundina não apareceu (já tinha sido também a grande ausente na convenção do PSB, poucas horas antes). Maluf avisou, de sua parte, que já tinha compromisso: ele jamais falta à abertura do Festival de Inverno de Campos do Jordão.

Tendo à sua volta, no palco, dirigentes do PSB, do PP e do PC do B - que completou a chapa indicando Nadia Campeão como vice do petista - Haddad desfiou críticas ao atual prefeito, Gilberto Kassab (PSD), por ter interrompido a distribuição de sopa a moradores de rua da capital. "Esta semana a administração mostrou para valer a sua cara", atacou.

O petista defendeu em seguida a política de alianças federal e disse que, se pudesse, teria agregado toda a base do governo Dilma, incluindo o PMDB de Gabriel Chalita e o PRB de Celso Russomanno, "para encerrar este triste capítulo da história da cidade já no primeiro turno".

Vaias, aplausos. O salão nobre da Câmara estava lotado de militantes, com muitas bandeiras e adesivos. Eles vaiaram o discurso de Jesse Ribeiro várias vezes, mas o aplaudiram no final quando disse que "só Haddad" tinha condições de resolver os problemas paulistanos.

O ex-ministro reagiu com um "nada a comentar" ao ser informado de que o secretário municipal da Educação, Alexandre Schneider seria o vice na chapa do rival tucano José Serra. Questionado se sentia falta de Maluf na convenção, Haddad criticou a imprensa: "Vocês têm o propósito de fulanizar o debate e estigmatizar a aliança". Avisou que quer reproduzir em São Paulo as experiências que deram certo em âmbito federal. / DAIENE CARDOSO, BEATRIZ BULLA, ROLDÃO ARRUDA, BRUNO LUPION GONCALVES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.