Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

PT adia candidaturas para atrair aliados e tentar conter Ciro

Partido remarca para julho escolha de nomes nas eleições; até lá, espera fechar aliança com o PSB nos Estados

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2018 | 05h00

A Executiva Nacional do PT decidiu, na noite desta terça-feira, 5, prorrogar a definição das candidaturas estaduais e nacional do partido. O objetivo é ganhar tempo para negociar uma aliança nacional com possíveis aliados, especialmente o PSB, e evitar que estes partidos reforcem a pré-candidatura de Ciro Gomes (PDT). 

A decisão ocorreu poucas horas depois de uma reunião entre a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), e o presidente do PSB, Carlos Siqueira. 

+++Fim do foro amplia no PT ‘plano B’ para Lula

Depois do encontro, os petistas voltaram a acreditar na possibilidade de uma aliança com o PSB com base em acertos estaduais. PT e PSB negociam apoios mútuos em 11 Estados (PE, MG, BA, CE, AP, AM, PB, AC, PI, ES e RO). Embora petistas mantenham publicamente o discurso de manutenção da pré-candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva, a prorrogação do calendário dá tempo para a construção de uma alternativa ao ex-presidente (condenado e preso pela Operação Lava Jato). 

As chaves para o entendimento são Pernambuco, onde o PSB quer apoio para a reeleição de Paulo Câmara, e Minas – o PT quer o PSB junto com Fernando Pimentel.

+++'Plano B' de Lula na Bahia trabalha para conquistar cadeira no Senado

Com a decisão da Executiva, o PT pernambucano é obrigado a adiar pela segunda vez o encontro estadual que vai decidir entre o apoio à Câmara ou a candidatura própria da vereadora Marília Arraes, que estava marcado para domingo. 

Estimativas internas apontavam para a possibilidade de vitória de Marília, o que inviabilizaria a aliança nacional com o PSB. 

Apoio. A reunião entre as cúpulas, nesta terça-feira, também renovou a esperança do PT de contar com o apoio do PSB em Minas, depois do avanço da pré-candidatura ao governo do ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB).

+++A vaquinha de Lula

“Respeitamos a postulação do ex-prefeito, mas não haveria nenhum tipo de anormalidade em uma aliança do PT com o PSB em Minas”, disse o deputado Odair Cunha (PT-MG). 

Dirigentes petistas cogitam oferecer a Lacerda vaga de vice na chapa presidencial. A pessoas próximas, Lacerda tem dito que “Minas é que vai decidir” seu futuro político.

A resolução da Executiva do PT diz que as pré-candidaturas estaduais estão mantidas “até que as tratativas com os demais partidos sejam acordadas” e cita explicitamente o nome de Marília Arraes. 

+++Manuela D'Ávila diz que eleições terão quatro candidatos de esquerda

No entanto, a resolução deixa claro que todas decisões estaduais estão subordinadas à eleição presidencial. Um dos principais objetivos do partido, hoje, é evitar o isolamento. 

Além disso, o PT quer evitar que PSB e PCdoB embarquem na candidatura de Ciro e transformem o presidenciável do PDT na principal alternativa eleitoral da esquerda. 

“O PT fará de tudo para viabilizar uma aliança nacional com PSB e PCdoB”, disse o deputado José Guimarães (PT-CE), líder da minoria na Câmara. 

+++Tietagem de Bretas a Lula ‘é inconveniente’, dizem advogados

Os encontros estaduais do PT, alguns marcados para o próximo fim de semana, ficaram para os dias 27 a 29 de julho e a convenção nacional que vai oficializar o nome do PT na disputa presidencial foi adiado de 28 de julho para entre 30 de julho e 5 de agosto. 

Nesta quarta-feira, 6, Marcio Macedo, um dos vice-presidentes do PT, abriu negociações com Felipe Espírito Santo, presidente da Fundação da Ordem Social, do PROS. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.