Anderson Maia/Divulgação
Anderson Maia/Divulgação

PSOL promete mais dinheiro do fundo eleitoral para mulheres, negros e LGBTs

Partido aprovou mudança em regras de cálculo neste sábado; sigla deve receber R$ 40 milhões de fundo neste ano

Marianna Holanda, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2020 | 21h46

O PSOL aprovou, neste sábado, 8, novas regras para a distribuição do Fundo Eleitoral. Agora, o partido passa a adotar cálculo maior para mulheres, negros, indígenas, quilombolas, LGBTs e pessoas com deficiência.

Mulheres receberão 30% a mais; negros e negras, 50%; indígenas, quilombolas e LGBT. 15%; e pessoas com deficiência-PCD, 10%. Os porcentuais são ainda acumulativos, ou seja, uma candidata a vereadora negra poderá receber 80% a mais que um candidato homem. A porcentagem dos recursos para vereadores será calculada de acordo com a candidatura de um homem branco na mesma “faixa de prioridade”. Esta é uma classificação adotada pela legenda para candidatos com maior potencial eleitoral e visibilidade, por exemplo.

A sigla receberá, neste ano, R$ 40 milhões para o fundo de campanhas. A distribuição foi definida em reunião do Diretório Nacional neste sábado.

“Pretendemos não só incentivar as candidaturas de mulheres, indo muito além do que determina o TSE, mas também de outros grupos que historicamente estão em desvantagem na política brasileira”, disse Juliano Medeiros, presidente do PSOL. 

Até então, valiam na legenda as normas estabelecidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE): reserva de 30% do total de recursos para mulheres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.