PSDB manobra para esvaziar prévias, e históricos do partido já acusam desgaste

Sem nunca ter realizado disputa interna para escolher um candidato, a cúpula do PSDB paulistano trabalha agora para transformar o mecanismo que o próprio partido apontou como o mais "democrático" em um mero jogo de cena. Nas bastidores, líderes tucanos articulam para que o vencedor da prévia, marcada para março, segure a cadeira até a entrada do ex-governador José Serra no palco como candidato. Por conta de manobras como essa, tradicionais quadros tucanos já rechaçam a condução do processo pela direção do partido no Estado.

JULIA DUAILIBI, SONIA RACY, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2012 | 03h06

"O PSDB vai definhar se continuar sendo apenas um clube parlamentar e uma federação de 'caciquias' estaduais. Esse papel o PMDB faz mais e melhor. Se quer se conectar com a sociedade, como seus dirigentes dizem querer, o PSDB precisa se conectar com seus filiados, para começar. As prévias em São Paulo representam um passo na direção certa", afirmou o cientista político Eduardo Graeff, secretário-geral da Presidência no governo FHC (1995-2002).

Defendida pelo governador Geraldo Alckmin há mais de oito meses como uma saída para o partido escolher o candidato, num cenário em que Serra dizia que não iria concorrer (em janeiro ele avisou aliados que estava fora da disputa), a prévia acabou se tornando um problema com a aproximação do prefeito Gilberto Kassab (PSD) do PT.

Serra já analisa cenários para ser candidato a prefeito, mas ainda não se decidiu. Ele pretende usar o carnaval para pensar sobre a possibilidade. Os tucanos, por sua vez, gostariam que ele se decidisse antes da realização da prévia, marcada para 4 de março. Como não há uma garantia de que isso aconteça, a cúpula decidiu bancar a consulta e, em seguida, trabalhar para convencer o vencedor a guardar o lugar para Serra. Conforme informou ontem à tarde a coluna Direto da Fonte, Serra foi visto em Buenos Aires junto de Andrea Matarazzo, secretário estadual da Cultura e um dos pré-candidatos inscritos na prévia.

A proposta da cúpula tucana é montar uma "chapa pura" com Serra como candidato e Matarazzo na vice, já que o DEM e o PSD, potenciais aliados do PSDB, não se entendem sobre a possibilidade de indicar o vice.

Os democratas não aceitam a possibilidade de Kassab escolher um nome.

Reação. Neste mês, Alckmin tentou segurar a prévia e pediu a interlocutores que convencessem Serra a ser candidato. O processo interno, porém, foi amadurecido pelo diretório estadual e os pré-candidatos, Matarazzo, Bruno Covas, José Aníbal e Ricardo Tripoli, reagiram à manobra.

"Cancelá-las ou invalidá-las, a esta altura, não seria só perder a oportunidade de avançar. Seria um atestado de irrelevância das bases do partido, passado por sua cúpula. Um retrocesso", afirmou Graeff.

"Ao contrário do que desejam as aves de mau agouro e outros animais silvestres, esclareço que o PSDB da capital tem rumo, e as prévias estão mantidas", disse Fabio Lepique, tesoureiro do PSDB estadual e ex-subprefeito de Vila Mariana.

"Quando o Covas lançou o Geraldo (Alckmin) em 2000, ele não chegava a 1% (das intenções de voto). Tem que ter coragem", afirmou o ex-deputado Arnaldo Madeira, ao defender a criação de novas lideranças. "(Alckmin) Quase foi para o segundo turno, aí surgiu uma nova liderança", completou ele (leia entrevista abaixo).

Semana passada, deputados estaduais pediram a Serra que saísse candidato e que a prévia fosse cancelada, num movimento que despertou a ira dos militantes envolvidos na campanha dos pré-candidatos. A ação chegou a ser chamada de "golpe".

Diante da reação negativa, Alckmin trabalha agora para realizar o processo e para que o vencedor apoie Serra, caso ele aceite concorrer. "É mais fácil negociar com um do que com quatro", afirmou um líder paulista.

A ação também divide os tucanos. "Só seria legítimo se o candidato anunciasse, antes das prévias, que pretende abrir mão. Mas Serra nunca deu sinal de que quer ser candidato a prefeito. Na verdade, Serra é a penúltima preocupação de quem quer atropelar as prévias. A última preocupação é a Prefeitura", disse Graeff. "Usar os filiados do PSDB de São Paulo como peões do xadrez da política estadual e nacional já é ruim. Fazer a cidade de São Paulo de peão nesse jogo é, francamente, uma arrogância sem limite", acrescentou.

Racionalidade. Para o deputado Duarte Nogueira, o partido tem que ir "na linha da racionalidade". "Se vários quiserem disputar a prévia, vamos ter que fazer. Mas tem o Serra na disputa, que ainda não decidiu. Se ele não quiser, temos prévia. Se ele resolver, vamos discutir", afirmou.

Xico Graziano, ex-secretário de Meio Ambiente da gestão José Serra no Bandeirantes (2007-2010), disse que "as prévias viraram um processo irreversível. O que vai acontecer depois, só a dinâmica da política vai dizer".

"Temos que fazer as prévias. O processo teve a participação intensiva de muitas lideranças. Acho que é um processo democrático e a melhor forma de o partido escolher. Se um nome da dimensão de um José Serra quiser disputar, o partido deve pensar sobre qual caminho adotar", afirmou o líder do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo, Floriano Pesaro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.