PSDB está no DNA do Bolsa Família, diz Aécio

Senador aproveita viagem ao Nordeste para reivindicar ao partido início de programa de transferência de renda, mais associado ao PT

PEDRO VENCESLAU, ENVIADO ESPECIAL / MACEIÓ, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2013 | 02h08

No primeiro grande encontro regional do PSDB com lideranças e governadores do Nordeste, ontem em Maceió, o senador Aécio Neves (MG) afirmou que o Bolsa Família partiu de uma ação do partido. "O DNA do PSDB está nos programas de transferência de renda. Começamos isso no sertão de Alagoas. Depois, a esse programa se juntou o Bolsa Escola. Veio daí o Bolsa Família", discursou.

No evento, formatado para ser o lançamento extraoficial de sua candidatura na região, Aécio foi saudado como "futuro presidente do Brasil". Participaram do encontro prefeitos e deputados, além de amigos e aliados históricos do ex-governador paulista José Serra (que também almeja a corrida ao Planalto), como Antonio Imbassahy (BA) e os paulistas Antônio Carlos Mendes Thame (deputado) e Aloysio Nunes Ferreira (senador), que ainda acompanharam o mineiro na sexta-feira em Salvador. "Começamos hoje uma linda caminhada", disse Aécio.

"Mais que um novo presidente, nós teremos um presidente novo no ano que vem. Levaremos juntos o Aécio à presidência do Brasil", afirmou o senador paraibano Cássio Cunha Lima. Em seu discurso na abertura do evento, que reuniu pelo menos 1.500 pessoas em um centro de convenções, o parlamentar também fez referência indireta a Serra ao defender "a unidade e o alinhamento estratégico" do PSDB em 2014.

"O PSDB se solidifica com a liderança de Aécio", discursou Aloysio Nunes. "Se Deus quiser, Aécio será o novo presidente do Brasil", completou o deputado Sérgio Guerra (PE), ex-presidente do PSDB. Mais cedo, o pernambucano disse ao Estado que o debate sobre a realização de prévias presidenciais no partido "morreu". O prazo para uma eventual saída de Serra do PSDB, cenários que os tucanos consideram remoto, termina em 5 de outubro. "Todos temos respeito pelo Serra, mas chegou o momento do Aécio. O PSDB já tomou sua decisão", disse ao Estado o governador alagoano Teotônio Vilela.

Considerado por tucanos como o principal responsável pelo sucesso eleitoral do PT no Nordeste em 2006 e 2010, o Bolsa Família foi questionado. "Para nós, o Bolsa Família é o ponto de partida, para o PT é o ponto de chegada", disse Aécio. A estratégia do partido para 2014 é resgatar "o legado" dos programas de transferência de renda do governo FHC e carimbá-los com o selo tucano. Reservadamente, os caciques do PSDB nordestino já defendem a escolha de um vice da região para compor a chapa presidencial de Aécio.

Alianças. Questionado sobre a saída do PSB - partido do governador de Pernambuco, Eduardo Campos - do governo Dilma Rousseff, Aécio sinalizou que acredita em uma aproximação mais direta a partir de agora. "O PSDB e o PSB têm boa relação política em vários Estados, a começar por Minas Gerais. Eu tenho uma boa relação pessoal com o governador (Eduardo) Campos. A saída do PSB do governo se deu pela percepção que o ciclo do PT está acabando. Dou as boas vindas ao Eduardo Campos."

Em vários momentos, Aécio criticou o PT. "Pegaram ontem mais um com a mão na botija no Palácio do Planalto fazendo tráfico de influência", disse, referindo-se ao ex-assessor da Secretaria de Relações Institucionais Idaílson Vilas Boas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.