PSDB está 'fritando' Geraldo Alckmin, diz Marta Suplicy

Petista acredita quepossível aliança entre DEM e PSDB na próxima fase não cria uma força maior contra ela

29 de setembro de 2008 | 19h44

A candidata do PT à Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, saiu nesta segunda-feira, 29, em defesa do adversário tucano  Geraldo Alckmin e avaliou que "não é digno" o PSDB já discutir um possível apoio ao candidato do DEM, o prefeito  Gilberto Kassab, antes do primeiro turno das eleições. "Eles estão fritando o candidato antes da hora", disse Marta. "Não sei quem vou enfrentar, mas parece que o PSDB já tem o prato feito." Durante visita à subsede do Sindicato dos Comerciários em São Miguel Paulista, a petista avaliou que esta demonstração de apoio do PSDB ao DEM "provavelmente poderá agradar ao Serra (José Serra, governador de São Paulo) e ao Kassab, mas certamente vai desagradar, e muito, os peessedebistas de coração".     Veja também: Contra Marta, PSDB admite apoiar Kassab no 2º turno     Alckmin e Kassab polarizam debate por 2º turno com Marta Blog: Leia os principais pontos do debate na Rede Record  Galeria de fotos dos candidatos no debate  Ibope: Confira os números da pesquisa  Análise: Marqueteiro aponta polarização na reta final da disputa em São Paulo  Enquete: Quem ganha com a briga dos dois?  Perfil dos candidatos de SP    A candidata avaliou a situação como grave. "Se eu, que não tenho nada a ver, estou achando isso, imagino o que devem estar achando os eleitores", provocou. Marta voltou a frisar que não sabe com quem deverá disputar o segundo turno. E destacou que respeita tanto Alckmin quanto Kassab. "Como candidata, eu vou enfrentar quem for. Acho todos os adversários fortes, respeitáveis, e não frito ninguém antes da hora."   A petista acredita que uma possível aliança entre DEM e PSDB na próxima fase da disputa não cria uma força maior contra ela e disse que vai buscar os eleitores e todos os candidatos que não forem ao segundo turno. "Eu espero ter o voto dos peessedebistas, kassabistas, malufistas, sonistas, de todos os candidatos."   Marta aproveitou para proibir seus partidários de buscarem apoio de outros partidos e candidatos antes da votação deste domingo. Segundo relatos, apoiadores da petista teriam tentado ontem, durante o debate eleitoral na Rede Record, iniciar uma discussão com o vice de Alckmin, Campos Machado (PTB), sobre um eventual apoio no segundo turno.   Marta afirmou que não apóia esse tipo de atitude, classificando-a como "desrespeitosa". "Todos os meus correligionários estão interditados de dar esse passo até a abertura das urnas", disse. E arrematou: "Tenho respeito pelos dois candidatos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.