PSDB e PT discutem sobre quem perdeu mais com aliança

Enquanto tucanos veem oposição fortalecida, petistas apontam prejuízo para Aécio Neves

O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2013 | 02h06

Petistas, tucanos e seus aliados entraram numa disputa pela "melhor tradução" do anúncio da parceria entre a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Os primeiros afirmam que o projeto de Aécio Neves, senador mineiro que deve ser o nome do PSDB na sucessão ao Planalto, é o principal atingido pelo acordo. Já os segundos adotaram o discurso de que a aliança de Marina e Campos, dois antigos aliados dos petistas, fortalecerá a oposição à presidente Dilma Rousseff.

O senador paulista Aloysio Nunes (PSDB) tem a seguinte avaliação: "A semana que passou terminou bem para a oposição e mal para o governo. O (José) Serra ficou no PSDB e a Marina fortaleceu o PSB, o que no meu entender leva a uma eleição com muita chance de vitória das forças que querem uma mudança".

Para o senador, mesmo com a possibilidade de uma chapa com Campos e Marina, o PSDB é o partido mais credenciado para disputar o 2.º turno em 2014.

Ao participar de evento ontem na zona leste da capital paulista, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), que tentará reeleição no ano que vem, afirmou ter ficado "feliz" com o acordo da ex-ministra do Meio Ambiente com o governador de Pernambuco para a disputa ao Planalto. Disse não acreditar que a parceria prejudique a candidatura de Aécio ao Planalto.

"Estava preocupado de ela (Marina) não se filiar a nenhum partido e se autoexcluir do processo eleitoral", disse o governador, referindo-se ao fato de a Rede, partido que a ex-ministra queria criar, ter sido rejeitada pelo Tribunal Superior Eleitoral por falta de assinaturas de apoio. "Fiquei feliz com ela ter se filiado porque isso garante a sua participação no cenário político-eleitoral do ano que vem. Fortalece a democracia."

O ex-ministro José Dirceu, ainda influente no PT apesar de condenado no julgamento do mensalão, defendeu a tese de enfraquecimento do projeto de Aécio. "Na ocasião, em abril, chamávamos atenção para o fato de a Rede enfrentar dificuldades para sua criação. E que a candidatura de Marina não atendia a estratégia da oposição. Daí a união com um candidato da oposição", escreveu Dirceu em seu blog na internet.

"De qualquer forma, essa mudança do quadro eleitoral não é necessariamente contra a presidenta Dilma Rousseff e o PT. Pode ser que Aécio Neves seja o principal perdedor. Basta avaliar o novo cenário, se tudo se confirmar no final do prazo legal", acrescentou. "Mas sem dúvida a aliança Marina-Eduardo muda o quadro eleitoral de 2014."

Líder do PT na Câmara, o deputado federal cearense José Nobre Guimarães, no Twitter, bateu na mesma tecla. "Quem deve estar muito preocupado com essa aliança é o PSDB", escreveu o petista.

'Zeros'. Secretário da Saúde do governo de seu irmão Cid Gomes no Ceará, o ex-ministro Ciro Gomes disse ontem que Marina e Campos são "dois zeros". "Eles não têm proposta para o Brasil. São dois zeros", afirmou Ciro, que até a semana passada integrava o PSB do governador de Pernambuco. Agora, filiado ao recém-criado PROS, defende a reeleição de Dilma na disputa do ano que vem. / FABIO LEITE, RICARDO DELLA COLETTA e LAURIBERTO BRAGA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.