Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

PSB oficializa Marina Silva e Beto Albuquerque em chapa para Presidência

Decisão foi anunciada após reunião na sede do partido em Brasília; candidata diz que pretende perseguir metas do antecessor

Nivaldo Souza, Ricardo Della Coletta e Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

20 de agosto de 2014 | 20h54

Atualizada às 22h35

Confirmada na noite desta quarta-feira pelo PSB como candidata à Presidência da República, a ex-senadora Marina Silva afirmou que a meta de seu antecessor Eduardo Campos, morto em acidente aéreo na semana passada, será perseguida por ela como cabeça de chapa ao lado do deputado Beto Albuquerque. "Precisamos mudar o Brasil preservando as coisas boas e corrigindo os equívocos", disse. Para Marina, a polarização política entre PSDB e PT das últimas duas décadas é sinônimo da "velha república". "A polarização já deu o que tinha de dar, já deu sua contribuição histórica."

Marina agradeceu a indicação de Albuquerque, afirmando que ele ocupará o papel que era dela e que o recebia com "determinação e satisfação". "Quero, primeiramente, agradecer a Deus por estar nos ajudando a fazer essa travessia difícil, após a perda daquele que havíamos escolhido para nos guiar nessa difícil tarefa de mudar o Brasil. Mudar com a visão de que se começa o novo no novo, corrigindo os equívocos praticados e encarando os desafios desse início de século", afirmou.

A candidata disse que ninguém do partido estava preparado pela tragédia, mas que assumia o compromisso de "responsabilidades já assumidas" por Campos. "Há aqui há o sentido do peso dessa responsabilidade, há o compromisso com os compromissos construídos ombro a ombro nas madrugadas ao lado de Eduardo", comprometeu-se.

Marina afirmou, ao receber uma carta inventário do PSB, que entre as responsabilidade assumidas por ela está a de "ajudar o partido a se reerguer" da perda de Campos. "A carta me diz o sentido do que é a história desse partido e agora temos a obrigação de o reerguer da fatalidade que se abateu", disse. "Recebo essa carta como pedido de acolhimento (no partido)", concluiu.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.