PSB condena uso da imagem de Marina em panfletos homofóbicos no Rio

Candidatos a deputado distribuem material em que classificam Dilma e a comunidade LGBT de 'anticristo' e pedem voto em Marina

Mateus Fagundes, O Estado de S. Paulo

16 de setembro de 2014 | 19h10

A coligação Unidos pelo Brasil, da candidatura à Presidência de Marina Silva (PSB), emitiu nesta terça-feira, 16, uma nota  de repúdio ao que chama de "uso criminoso e indevido" da imagem de Marina em material de campanha de cunho "homofóbico e discriminatório" de candidatos a deputado do Rio de Janeiro. 

O CNPJ da campanha de Edino Fonseca, que tenta uma vaga na Assembleia Legislativa do Rio pelo PEN, é citado como o responsável pelo conteúdo que inclui críticas ao atual governo e às reivindicações da comunidade LGBT. Além disso, o texto classifica a presidente Dilma Rousseff e a comunidade LGBT de "anticristo". O panfleto pede votos para Fonseca, para o candidato a deputado federal Ezequiel Teixeira e para Marina Silva.

"A coligação vai acionar a Justiça para a busca e apreensão, bem como proibição de distribuição do material, que estimula o ódio e a violência contra pautas diferenciadas dos movimentos feminista e negro", diz a nota.

A coligação também reitera que o programa de governo de Marina "não deixa dúvidas quanto à cultura de paz e de garantia ampla dos direitos humanos".

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesMarina SilvaPSB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.