PSB classifica denúncias de adversários no PE como 'vazias'

Chamando denúncias de 'factóide sem pé nem cabeça', diretório pernambucano do partido afirma que fatos foram esclarecidos

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

09 de setembro de 2014 | 20h39

"Pantomima da pior qualidade" e "sucessão de denúncias vazias, irresponsáveis e indignas de credibilidade" com o objetivo de tentar atingir o candidato socialista ao governo de Pernambuco, Paulo Câmara "com um factoide sem pé nem cabeça".

Assim o PSB pernambucano qualificou, em nota, a cobrança pública do candidato ao governo de Pernambuco Armando Monteiro Neto (PTB), que convocou entrevista coletiva, nesta  terça-feira (9) para pedir explicações  ao candidato adversário Paulo Câmara (PSB) sobre a concessão de benefícios fiscais, em 2011, à empresa pernambucana Bandeirantes Companhia de Pneus S.A. A empresa é investigada na compra e doação do Cessna Citation 560 XLS que caiu no dia 13 de agosto, matando o ex-presidenciável Eduardo Campos (PSB) e mais seis pessoas.

"Os fatos citados pelo candidato já tiveram ampla cobertura da imprensa nacional e foram publicamente esclarecidos, na forma da lei, pela direção do Partido Socialista Brasileiro, que acompanha diligentemente todos os aspectos envolvendo não apenas o uso da aeronave, como também as causas do acidente que vitimou tragicamente o nosso saudoso Eduardo Campos", afirma a nota.

Para o partido, "ao tentar atingir o futuro governador de Pernambuco, Paulo Câmara, com um factoide sem pé nem cabeça, Armando Monteiro mostra de quantas é capaz para enlamear a honra alheia".  Diz, ainda que as denúncias vazias merecem indignação e repúdio e denotam "desespero com a derrota que já se prenuncia".

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesPSBPaulo Câmara

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.