Reprodução/PSDB
Reprodução/PSDB

Propaganda de Doria usa foto de França obeso para associá-lo ao PT

Comercial é o primeiro ataque da campanha tucana ao atual governador de São Paulo na propaganda eleitoral gratuita

Pedro Venceslau e Fabio Leite, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2018 | 21h57

A campanha do candidato do PSDB ao governo de São Paulo nas eleições 2018, João Doria, começa a exibir neste sábado, 22, um comercial na TV no qual usa uma foto do atual governador Márcio França (PSB) de quando ele era obeso para dizer que seu adversário na disputa eleitoral não é "novo" e associá-lo ao PT

Na propaganda, obtida pelo Estado, a campanha tucana exibe uma imagem recente de França, magro e sem cavanhaque, enquanto o locutor diz que "esta é uma foto do candidato Márcio França, que se apresenta como novo governador". Na sequência, mostra uma foto antiga de França, obeso e com cavanhaque, dizendo que este é o candidato "antes desta eleição".

"Parecem dois candidatos diferentes, mas a história é uma só. Foi amigo e participou do conselho político do (ex-presidente) Lula. E também apoiou o (Fernando) Haddad a pedido do Lula. O candidato Márcio França gosta de falar que é novo, mas não gosta de falar de suas velhas alianças com o PT", segue o comercial, mesclando imagens atuais e antigas do governador . "Cuidado. São Paulo não pode correr este risco", conclui a peça tucana, de 29 segundos.

França pesava 118 kg até março de 2017, quando fez uma cirurgia de redução do estômago. Depois de assumir o governo de São Paulo em abril deste ano, após a renúncia de Geraldo Alckmin (PSDB) para disputar a Presidência da República, França disse que já havia perdido cerca de 40 quilos em um ano.

Este é o primeiro ataque da campanha de Doria contra França na propaganda eleitoral gratuita. O atual governador aparece em terceiro lugar na última pesquisa Ibope/Estado/TV Globo, com 9% das intenções de voto. Até agora, Doria tinha investido nos ataques a Paulo Skaf (MDB), com quem está tecnicamente empatado (24% para Skaf e 23% para Doria).

No fim de agosto, o publicitário Nelson Biondi, marqueteiro da campanha de Doria, já havia dito ao Estado que França era o principal adversário a ser batido no primeiro turno. O raciocínio era o de que o governador era pouco conhecido e tinha espaço para crescer durante a campanha, além de disputar votos no mesmo campo de Doria, por ter sido vice de Alckmin.

Durante a pré-campanha, Doria já havia feito ataques a França, lembrando antigas alianças do governador com o PT. Em uma entrevista, o tucano chegou a chamar o governador de Márcio Cuba. França e aliados rebateram mostrando vídeos de Doria elogiando o então vice-governador após ter sido eleito prefeito da capital, em 2016. França foi um dos principais articuladores da aliança que levou Doria à vitória na capital no primeiro turno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.