Reprodução/PSDB
Reprodução/PSDB

Propaganda de Doria com foto de França obeso para associá-lo ao PT causa desconforto na campanha

O atual governador, candidato pelo PSB nas eleições 2018, respondeu o tucano com vídeo publicado nas redes sociais; conteúdo ainda não foi veiculado

Pedro Venceslau e Ana Carolina Neira, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2018 | 18h52

A ideia da campanha do candidato do PSDB ao governo de São Paulo nas eleições 2018, João Doria, de exibir um comercial na TV no qual usa uma foto do atual governador Márcio França (PSB) de quando ele era obeso para dizer que seu adversário na disputa eleitoral não é "novo" e associá-lo ao PT causou desconforto entre os tucanos neste sábado, 22.

O vídeo, que deveria ser exibido neste sábado à noite, foi antecipado pelo Estado e provocou uma reação de França, que publicou um vídeo em suas redes sociais classificando a atitude de Doria como "triste" e dizendo que a ação "mostra seu verdadeiro caráter". O candidato aproveita para explicar que é diabético e acusa o tucano de desrespeitar "um problema de saúde que atinge milhões de brasileiros para tentar ganhar vantagem."

 

De acordo com integrantes da campanha de João Doria, que precisou convocar uma reunião de emergência para discutir o assunto durante a manhã deste sábado, o conceito era mostrar ao eleitor que o visual de seu rival havia mudado, porém ele continuava sendo a mesma pessoa que já apoiou o PT no passado. Ao Estado, fontes afirmaram que a intenção não era ofender pessoas gordas, mas o histórico do candidato do PSB.

No entanto, uma avaliação reservada é de que o efeito negativo acabou sendo maior que o esperado, com repercussão ruim para João Doria. Ainda de acordo com integrantes da campanha, houve uma divergência interna sobre a eficácia da propaganda e a percepção de que a publicação do vídeo marca uma mudança na estratégia tucana, uma vez que o ex-prefeito de São Paulo notou o potencial de crescimento de Márcio França entre eleitores do PSDB. Tanto Doria quanto França defendem o legado do ex-governador Geraldo Alckmin

Segundo a última pesquisa eleitoral Ibope/Estado/TV Globo, divulgada na quarta-feira, 19, Doria aparece com 23% das intenções de voto, enquanto França está em terceiro lugar – atrás de Paulo Skaf (MDB) – com 9%, um ponto porcentual a mais do que na última pesquisa.

A campanha do candidato Márcio França também publicou uma nota de repúdio acusando a estratégia tucana de "inaceitável".

"Ao se valer de um grave problema de saúde que acomete milhões de brasileiros para atacar Márcio França, o candidato ultrapassa barreiras morais e desrespeita o processo democrático. A nova propaganda do tucano, que lidera a rejeição dos eleitores, lança mão de antigas imagens de França, ainda obeso, para tentar desqualificá-lo por meio de uma tática eleitoral rasteira. Se há algo que definitivamente não tem graça é brincar com a saúde dos outros", diz o texto.

Principal adversário de Doria é França, diz publicitário

Em entrevista ao Estado no último mês, o publicitário Nelson Biondi, que lidera a equipe de comunicação de João Doria nas eleições 2018, afirmou que o principal adversário a ser batido no primeiro turno é o atual governador Márcio França.

“O Márcio disputa no mesmo campo que o nosso. Ele vai se apropriar de 24 anos de governos do PSDB, vai dizer que passou pela crise, que as obras continuaram e que hoje as contas estão no azul”, avalia Biondi. “Ele quer assumir um legado que não é dele”, completa o sócio do publicitário.

O raciocínio é simples: França tem espaço para crescer usando o que deu certo nos governos tucanos, mas não carrega a estafa de material do PSDB, que está há 24 anos no poder.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.