Tiago Queiroz / Estadão
Tiago Queiroz / Estadão

Proibido de ir a inaugurações, Covas faz vistoria em 10 obras da área da saúde na campanha

Em meio à pandemia, prefeito, que tenta a reeleição, foca em visitas a hospitais, UBSs e UPAs

Pedro Venceslau e Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2020 | 10h17

Proibido pela lei eleitoral de participar de inaugurações, o prefeito Bruno Covas (PSDB) já vistoriou 10 obras de hospitais, Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e Unidades de Pronto de Atendimento (UPAs) desde o início oficial da sua campanha pela reeleição, no dia 27 de setembro. Nesta quinta-feira, 5, o candidato esteve nas obras de construção da UPA Jabaquara que, segundo ele, ficará pronta ainda em 2020. 

Em sintonia com os comerciais do horário eleitoral, o tucano bate na tecla que está focado no combate à pandemia do novo coronavírus. Segundo pesquisa Ibope divulgada em 21 de setembro, a atuação de Covas no combate aos efeitos da pandemia aprovada por 54% dos paulistanos e reprovada por 40%.

Quando o prefeito chegou a mais uma dessas vistorias ao local acompanhado de sua equipe de filmagem e fotografia, foi recebido pelo secretário de Saúde, Edson Aparecido, e por operários que estavam perfilados à espera de selfies. Depois de percorrer os corredores da obra, Covas postou-se em frente a um púlpito para falar com os jornalistas e repetiu a mesma fala das visitas anteriores.

Para Entender

Quem é Bruno Covas? Conheça o prefeito de São Paulo em busca da reeleição

Tucano apoiado por coligação de dez partidos, neto do ex-governador Mário Covas é um dos candidatos nas eleições 2020

"Sete UPAs ficam prontas até o fim do ano. Tínhamos 4 UPAs na cidade e entregamos 10. São 14 e mais 7 ficam prontas até o fim deste ano, num total de 21 UPAs. Serão mais 17 nos próximos quatro anos com recursos do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). Só esta obra (Jabaquara) teve um recurso de R$ 5,7 milhões", disse Covas.

Ainda segundo o tucano, dos R$ 1 bilhão emprestados pelo  BID, já foram investidos esse ano R$ 315 milhões. "Tem ainda 2/3 para poder investir. São 180 obras na cidade de São Paulo só na área da saúde", afirmou.  O empréstimo, aliás, foi o tema do 1° programa de Covas no horário eleitoral gratuito da TV. Ainda de barba e antes do diagnóstico do câncer, ele apareceu em Washington na reunião do Banco.  

Para Entender

Veja propostas de Bruno Covas

Confira quais são os principais pontos do plano de governo do candidato do PSDB para a Prefeitura de São Paulo nas áreas da Saúde, Educação, Emprego, Transporte, Segurança, Meio Ambiente e Habitação

Questionado se pretende promover um novo ajuste fiscal na capital caso seja eleito, Covas descartou a ideia, mas elogiou a "coragem" do governador João Doria (PSDB) por ter feito uma profunda reforma no âmbito estadual.

"Não há necessidade de outro ajuste fiscal na capital. Reduzimos a relação dívida receita, que era de 97% no início da gestão, para 38%. A gente tinha um rombo orçamentário em 2017 de R$ 7 bilhões. Neste ano, teríamos um investimento público de R$ 7 bilhões, mas tivemos que reorganizar por causa da pandemia. Em relação ao Estado,  medidas difíceis precisam ser tomadas. O governador enfrentou as resistências e aprovou o pacote na Assembleia. Outros Estados da Federação não tiveram a mesma coragem de enfrentar as resistências de aprovar o pacote de ajuste fiscal. Doria foi corajoso", afimou.  

Câncer

Em sabatina promovida pelo jornal Folha de S.Paulo e portal UOL nessa quinta-feira, Covas voltou a comentar declarações do candidato Celso Russomanno (Republicanos) segundo as quais ele não terminaria um eventual segundo mandato. Na ocasião, o deputado foi questionado por jornalistas sobre se a alegação estaria relacionada à doença do tucano e respondeu que quem tem que comentar a saúde do oponente "é o médico dele". Depois, a campanha do parlamentar enviou aos repórteres um vídeo de campanha em que Russomanno cita a "tradição tucana" de renunciar a mandatos na Prefeitura para disputar outros cargos. 

"Lamento as declarações do meu concorrente porque acho que elas não são prejudiciais a mim. Eu, que estou enfrentando uma campanha política [e] já estou preparado para qualquer tipo de agressão, acho que é uma agressão para todos aqueles que se encontram em tratamento oncológico na cidade de São Paulo. A gente precisa virar essa página de que um diagnóstico de câncer é uma sentença de morte.", afirmou.  Procurado, Russomanno não respondeu.   

Apesar do discurso cauteloso de Covas em relação à covid, secretários municipais, candidatos a vereador e lideranças do PSDB participaram  na tarde desta quinta-feira de uma passeata pelas ruas do centro que reuniu cerca de 1000 apoiadores com bandeiras e cartazes. A campanha pretende promover eventos semelhantes também na região da Avenida Paulista na reta final da campanha.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.